Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

A Cônsul Geral de Portugal em Lyon, Maria de Fátima Mendes, vai cessar funções no fim de agosto e o Conselheiro das Comunidades eleito naquela cidade, Manuel Cardia Lima, aproveitou para se despedir da diplomata que segue agora para os serviços centrais do Ministério dos Negócios Estrangeiros.

Antes de seguir para férias, Manuel Cardia Lima aproveitou para deixar à Cônsul Geral uma lembrança da sua passagem por Lyon “mas também para lhe desejar muitas felicidades nas suas futuras funções”.

“Foram quatro anos de excelente colaboração. A Cônsul Geral sempre me deu apoio e facilitou o acesso a informações ligadas à Comunidade no desempenho do meu cargo de Presidente da FAPRA [ndr: Federação das associações portuguesas do Rhône-Alpes] mas também como Conselheiro das Comunidades. Todas as vezes que solicitei encontro com ela para falar dos problemas da Comunidade sempre me recebeu e tentava resolver os casos que eu lhe apresentava. Estava muito atenta a tudo que se passava” disse Manuel Cardia Lima ao LusoJornal.

“Durante este período, quando era convidada, estava presente junto dos Portugueses em todos os momentos, mas também junto das entidades francesas para representar Portugal e para defender e valorizar a imagem do nosso país e dos Portugueses residentes na sua área consular”. O Conselheiro das Comunidades lembrou também as obras de melhoramento para o atendimento dos utentes no posto consular. “Foi muito positiva a sua passagem por Lyon”, resume.

Manuel Cardia Lima diz também que a Maria de Fátima Mendes deu muita visibilidade ao Conselho Consultivo da área consular. “Todos os membros deste Conselho consultivo eram consultados regularmente e informados de tudo que se passava com interesse para a Comunidade, através de e-mails, podiam abordar os temas que lhes preocupavam ou que julgassem necessários, mesmo que não estivessem na ordem do dia”.

Manuel Cardia Lima diz ter sido “um prazer coloborar” com esta Cônsul Geral, com quem diz ter tecido uma “ligação de amizade, porque sempre me apoiou e me considerou como um dos representantes dos Portugueses na sua área consular. Tenho muita estima por ela, vai deixar-nos, a mim e a muitas pessoas, boas recordações”.

Gostou deste artigo? Vote, participe!
Votação do Leitor 4 Votos
9.2