Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

Misericórdia de Paris: centenas correram para ajudar os mais necessitados

LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha

A chuva bem podia ter estragado a Corrida solidária que a Santa Casa de Misericórdia de Paris, organizou pelo quarto ano consecutivo, no Domaine de la Cour Roland, em Jouy-en-Josas (78), este domingo, dia 1 de outubro.

Mas as centenas de pessoas inscritas na prova marcaram presença e o Provedor Joaquim Sousa, tinha razões para estar contente. «Apesar de terem anunciado chuva, as pessoas vieram em grande número e isso deixa-me feliz» disse ao LusoJornal.

Quem também marcou presença foi a «madrinha», a Campeã olímpica Fernanda Ribeiro e o «padrinho», o ex-jogador e treinador Rui Barros.

«No fundo, eu apenas estou a dar aquilo que me deram durante a minha carreira. Os Portugueses deram-me muito, estiveram sempre comigo, apoiaram-me, por isso, eu devo-lhes esta minha presença» disse Fernanda Ribeiro ao LusoJornal. «Há muitas caminhadas solidárias, e nem sempre me é possível participar, mas sempre que posso, vou».

Também Rui Barros disse ao LusoJornal que «é importante estar presente neste tipo de eventos de solidariedade. Desde que a nossa vida profissional nos deixe, estaremos sempre aqui a correr para os mais necessitados».

Apesar da chuva, também Rui Barros ficou admirado com tanta participação. «As pessoas têm um bom coração e é um convívio muito alegre».

Enquanto uns corriam, outros caminhavam. Houve quem se inscreveu para fazer 4 quilómetros e quem optou pelos 8 quilómetros. A distância e o tempo gasto no percurso acabaram por não ter importância. O importante era mesmo… participar.

«Fiquei bastante contente quando vi tanta gente a correr e a caminhar. Estou muito contente com isso» disse Fernanda Ribeiro. «Sentir que as pessoas estão disponíveis para ajudar os outros é muito bom» confirmou Rui Barros.

Os dois atletas já confirmaram que tudo farão para voltar no próximo ano.

O Domaine de la Cour Roland acolheu a iniciativa e enquanto uns faziam exercícios de aquecimento, a Filarmónica Portuguesa de Paris assegurou a animação musical.

«Estamos muito contentes com a adesão a esta iniciativa, mas gostariamos de ter ainda mais gente. Temos fé que isto venha a acontecer» confessa o Provedor da Santa Casa da Misericórdia de Paris. «Todos nós temos de trazer amigos e familiares para duplicarmos o número de participantes no próximo ano. É para uma causa nobre, para ajudar os que mais necessitam e nós podemos ajudar porque estamos com saúde» disse ao LusoJornal.

Pascal Thévenot, o Maire de Vélizy-Villacoublay, também marcou presença no evento. «Só falhei no ano passado, porque tinha um outro compromisso» lembrou ao LusoJornal. «Temos uma forte Comunidade portuguesa na nossa cidade e uma associação importante. Vieram ver-nos para pedir apoio logístico e claro que decidimos ajudar».

Pascal Thévenot diz-se impressionado pela «forte demonstração de solidariedade» e considera que é uma «boa iniciativa».

Joaquim Sousa já só pensa no próximo evento de recolha de fundos da Santa Casa da Misericórdia de Paris: um jantar de gala, marcado para o próximo dia 18 de novembro, na sala Vasco da Gama, em Valenton e logo depois é lançada a campanha de recolha de géneros alimentícios e de roupas, para os mais necessitados.

 

 

Gostou deste artigo? Vote, participe!
Votação do Leitor 5 Votos
6.9