Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

Romance de Manuel do Nascimento foi apresentado no Consulado de Paris

LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha

O romance «Nem tudo acontece por acaso», do historiador autodidata Manuel do Nascimento, editado pela Colibri, foi apresentado no Consulado Geral de Portugal em Paris, na quinta-feira na semana passada. Foi apresentado por Luísa Semedo, Conselheira das Comunidades Portuguesas e vencedora do Prémio Literário e de Ilustração Eça de Queirós.

«O autor não necessita de apresentações» disse na sua intervenção o Cônsul Geral de Portugal em Paris, António de Albuquerque Moniz. «É um habituado desta casa, assim como a apresentadora do livro, Luísa Semedo».

Mesmo assim, António Moniz lembrou que Manuel do Nascimento «é um dos escritores que mais produz na nossa Comunidade, nomeadamente na área da história». Até porque Manuel do Nascimento tem já vários livros publicados. «Temos de lhe agradecer publicamente pela imagem que ele vai dando de Portugal, não só para os Portugueses, mas também para as autoridades francesas, ao participar em colóquios, conferências e seminários, nomeadamente sobre as Invasões Napoleónicas e sobre a I Guerra Mundial».

Mas, «Nem tudo acontece por acaso» é o primeiro romance do autor. Luísa Semedo lembrou no entanto que «apesar de ser um romance, não deixa de lado a história, porque tem referências à I Guerra Mundial, à II Guerra Mundial, ao Estado Novo e à Revolução de Abril».

Para Luísa Semedo, Manuel do Nascimento «consegue falar de tudo isto, consegue fazer uma visita guiada a Lisboa e ainda consegue contar a sua própria história. Brinca entre a realidade e a ficção» e acrescenta que «é um livro denso com um romance, porque existe emoção, suspense, dinheiro e sexo».

A Conselheira das Comunidades considera «interessante» a escolha do romance para contar a história de um país. «Isso permite-nos sentir mais empatia através do personagem. Tem mais força».

O livro nasceu de uma viagem a Lisboa, quando o autor conheceu um mendigo cujo pai, o alferes Raimundo Marques, participou na Primeira Guerra Mundial em França e entrou na Resistência francesa na Segunda Guerra.

Luísa Semedo considera que o livro é «engagé». Virando-se para Manuel do Nascimento, disse-lhe que «tens a coragem de escrever um livro com um posicionamento, com o qual me identifico: é antifascista, denuncia as desigualdades económicas, denuncia a colonização, denuncia a promiscuidade entre a economia e a política…»

Manuel do Nascimento nasceu no concelho de Tabuaço, mas foi estudar para Lisboa. Obteve a carteira profissional de fotógrafo em 1961, antes de emigrar. Quando chegou a França, trabalhou para uma empresa onde fazia microfilmagem de jornais, revistas e livros para a então Biblioteca Nacional de Paris e foi ao longo desses 15 anos, que cultivou a paixão pela História e se dedicou à escrita.

 

Gostou deste artigo? Vote, participe!
Votação do Leitor 6 Votos
3.5