Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

O PSD questionou ontem, através do Deputado Carlos Gonçalves, eleito pelo círculo eleitoral da emigração, o Governo sobre a ausência de informação aos Portugueses sobre a abertura de um curso de português num colégio em Strasbourg, alertando que a falta de inscritos pode “comprometer o futuro” desta nova Secção internacional.

Num requerimento entregue no Parlamento, o Deputado Carlos Gonçalves afirma que as autoridades francesas abriram a Secção internacional do Colégio Vauban, em Strasbourg, com capacidade para 25 alunos aprenderem a língua portuguesa.

No entanto, apenas dois alunos estão inscritos, o que, para o social-democrata, tem “consequências negativas para a imagem do ensino do português em França”.

Esta decisão, acrescenta, “era um anseio da Comunidade portuguesa residente no departamento francês do Baixo-Reno que finalmente se concretizou”.

“No contacto que estabeleci com vários representantes da nossa Comunidade ali residente pude constatar que não houve qualquer campanha de informação por parte do Governo português sobre a abertura desta Secção internacional, o que contribuiu, certamente, para o reduzido número de inscrições”, afirma Carlos Gonçalves.

“Aqueles que têm a responsabilidade do ensino do português no estrangeiro e que se congratularam com o desfecho positivo de uma aspiração de longa data da nossa Comunidade residente em Strasbourgo deveriam ter tido o cuidado de fazer chegar essa informação aos Portugueses que ali residem. Assim, uma decisão por todos vista como muito positiva está a ter efeitos nefastos para a imagem do ensino do português em França face à escassa procura que veio a ter dos potenciais interessados”.

O Deputado refere que “muitos Portugueses receiam que o futuro desta Secção esteja comprometido, a não ser que as inscrições para o próximo ano letivo aumentem significativamente” e “lamentam que, terminando o prazo das inscrições a 23 de fevereiro, nada tenha sido feito até agora para informar e sensibilizar os pais dos alunos interessados na aprendizagem da língua portuguesa”.

Carlos Gonçalves afirma que “as Seções internacionais são, na minha opinião, decisivas para a afirmação do português em França e os exemplos já existentes assim o comprovam”.

Nas redes sociais, a Associação Cultural Portuguesa de Strasbourg diz que fez circular a informação e até divulgou a abertura da Secção internacional portuguesa no programa de rádio que anima numa rádio local.

“Já informei a Coordenação de ensino de Português em França sobre a falta de informação relativamente à existência da Secção internacional de português em Strasbourg no site do EPE-Franca” garante o Conselheiro das Comunidades eleito na área geográfica de Strasbourg Rui Barata. “Continuamos a exigir igualdade. Igualdade de direitos, igualdade no acesso à participação política para os Portugueses residentes no estrangeiro. Continuaremos a lutar por uma democracia mais justa”.

Na pergunta que dirige ao Ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, o Deputado questiona se o Governo tem conhecimento desta situação e se “tem consciência” que a falta de inscritos compromete o futuro desta Secção internacional. “Considerando que o período de inscrições para o próximo ano letivo já está a decorrer e não havendo, até esta data, qualquer campanha de informação junto dos Portugueses residentes na área de Strasbourg, tem consciência o Governo de que o futuro desta Seção internacional possa estar comprometido?”

“Porque razão não foram desencadeadas as iniciativas adequadas à abertura de uma seção internacional nomeadamente na informação junto dos potenciais interessados?” pergunta o Deputado.

 

 

Gostou deste artigo? Vote, participe!
Votação do Leitor 27 Votos
8.4