Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

Os Partidos portugueses manifestaram ontem consenso global para a adoção de medidas para solucionar a situação dos lesados do BES/GES e Banif, mas o debate motivou uma dura discussão política entre a Esquerda e o PSD.

Em plenário estiveram em discussão conjunta projetos de resolução do PSD, PS (este com incidência só no Banif), BE e CDS, assim como petições apresentadas pela ALBOA (Associação de Lesados), AMELP (Associação Movimento de Emigrantes Lesados Portugueses) e ABESD (Associação de Defesa dos Clientes Bancários).

Durante uma hora de debate, as iniciativas peticionárias foram saudadas por todas as bancadas e, em termos gerais, ninguém discordou frontalmente do teor das diferentes resoluções para a criação de novos mecanismos extrajudiciais (BE e PS) para as resoluções de conflitos, ou para a formação de comissões arbitrais (PSD e CDS-PP).

“Hoje, pela primeira vez, assistimos a um consenso por parte de todos os Partidos políticos à volta da resolução do nosso caso. O debate conclui-se pela adoção de todas as propostas apresentadas, aceitam por unanimidade ou por maioria das bancadas parlamentares” diz uma nota da AMELP enviada aos seus associados. “A AMELP agradece a todos os assinantes da petição, e apoiantes. A petição representa os emigrantes de modo geral sendo saudada por todas as bancadas parlamentares. De forma mais pessoal, a delegação da AMELP conclui que com perseverança e rigor na sua luta constante, que vários obstáculos estão a ser ultrapassados com único objetivo para que a justiça seja feita na resolução de todos os lesados” diz a nota assinada pela Vice-Presidente daquela assicuação, helena Esteves, a que o LusoJornal teve acesso.

A discussão azedou quando a Deputada social-democrata Rubina Berardo acusou o atual Governo de “inação” na temática dos lesados emigrantes do Banco Espírito Santo (BES) e Banif que compraram produtos de risco julgando tratar-se de depósitos a prazo. “Todos os dias este Governo tenta passar a ideia que o dia seguinte é o primeiro dia do seu mandato””, comentou a Deputada do PSD eleita pela Madeira.

A resposta da dirigente do Bloco de Esquerda Mariana Mortágua foi violenta: “Este Governo fez mais em dois anos do que o anterior alguma vez pensava fazer – e todos nos lembramos do ex-Primeiro-Ministro Pedro Passos Coelho remeter os emigrantes lesados para os tribunais. O PSD já votou contra soluções para os lesados e, por isso, não aceitamos atos de hipocrisia”, afirmou.

O Deputado do PCP Miguel Tiago acrescentou depois que o PSD “está agora a tentar limpar o seu passado” perante “o roubo e burla” de que foram vítimas muitos cidadãos por parte de banqueiros.

Carlos Gonçalves, da bancada do PSD, pediu a palavra para responder às críticas da Esquerda, salientando que “foi quebrada a confiança” entre um universo de “cinco milhões de emigrantes” e o setor bancário nacional e que o atual Governo revela passividade.

Na resposta, o Deputado socialista Paulo Pisco considerou que “ao PSD não falta vergonha”. “Ao contrário de Pedro Passos Coelho que deixou os emigrantes à sua sorte, este Primeiro-Ministro, António Costa, empenhou-se para encontrar uma solução para os lesados”, sustentou.

O CDS-PP, por intermédio de Cecília Meireles, demarcou-se do tipo de debate político que estava a ser travado no hemiciclo, observando que o mais importante “é encontrar soluções concretas” para os lesados pela compra de produtos bancários de risco. Cecília Meireles apontou que, entre os lesados, há situações muito diferenciadas, razão pela qual “as soluções a adotar são complexas”.

A Deputada do CDS-PP pediu ainda a imediata intervenção do Governo para o facto de continuarem a ser comercializados aos balcões dos bancos produtos de risco. “O Governo tem de andar depressa. Mais vale prevenir do que remediar”, advertiu.

 

Gostou deste artigo? Vote, participe!
Votação do Leitor 18 Votos
4.8