Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

Consulado de Paris inaugura exposição de fotografias de Dominique Stoenesco

Dominique Stoenesco Dominique Stoenesco

Vai ser inaugurada esta quinta-feira, dia 15 de fevereiro, a exposição fotográfica “O vale do rio Douro, nos passos de Miguel Torga ‘Um reino maravilhoso” de Dominique Stoenesco.

Constituída por cerca de cinquenta fotografias, a exposição mostra alguns aspetos do vale do rio Douro (paisagens, vinhedos, emigração, festas e tradições) entre Miranda do Douro e o Porto, evocados no livro “Portugal”, de Miguel Torga, traduzido em francês por Claire Cayron.

A exposição dedica um espaço importante aos azulejos da estação de comboio do Pinhão que evocam tão bem a terra, a labuta do homem e a beleza das paisagens, criando assim um diálogo harmonioso entre viagem, literatura e imagem.

Pelo seu carácter cultural e turístico, e igualmente pedagógico, esta exposição dirige-se a um público bastante largo: associações, estabelecimentos escolares, bibliotecas, centros culturais, etc. Os textos que acompanham as fotografias são bilingues.

Segundo uma nota de imprensa do Consulado Geral de Portugal em Paris enviada ao LusoJornal, a exposição “O vale do rio Douro, nos passos de Miguel Torga” conta desde já com o apoio da ADEPBA (Associação para o Desenvolvimento dos Estudos Portugueses, Brasileiros, da África e da Ásia lusófonas).

Escritor, poeta, dramaturgo e médico, Miguel Torga (19071995) nasceu em São Martinho de Anta, em Trás-os-Montes, aldeia situada na parte alta das imensas encostas onde ondulam os vinhedos do vale do rio Douro. Com apenas 10 anos, Miguel Torga foi trabalhar no Porto como empregado de mesa. Pouco tempo depois foi mandado para o seminário de Lamego. Aos 13 anos emigrou para o Brasil, para trabalhar numa fazenda de café de um tio. Em 1925, regressa a Portugal e matricula-se na Faculdade de Medicina de Coimbra. Resistente face ao salazarismo, tendo sido censurado várias vezes, Miguel Torga é autor de uma obra excecional, tanto pela sua dimensão quanto pela sua diversidade: 94 contos, uma vasta obra autobiográfica intitulada “A Criação do Mundo”, 16 volumes do Diário, teatro, ensaios e 15 livros de poesia.

No livro “Portugal” (1950), Miguel Torga convida-nos a uma viagem através do seu “reino maravilhoso”, passando principalmente pelo vale do rio Douro. Ao evocar a sua província natal, Trás-os-Montes, de onde muitas famílias emigraram, o autor diz: “Acossados pela necessidade e pelo amor da aventura, aos vinte anos (se não tiver sido antes), depois da militança, alguns emigram para as Arábias de além-mar. Brasis, Áfricas e Oceanías. Metem toda a quimera numa saca de retalhos, e lá vão eles”.

A tradutora, Claire Cayron (1935-2002), foi professora de Literatura Comparada na Universidade de Bordeaux III. Como tradutora da literatura portuguesa e brasileira, teve um papel preponderante na divulgação da obra de Miguel Torga em França. Traduziu 14 livros deste autor, entre os quais “Portugal”, do qual são tirados os textos que traçam o itinerário desta exposição fotográfica. Em 1978, Claire Cayron recebeu o Prémio da tradução organizado pela ADEPBA, pela tradução em francês de “Bichos”, de Miguel Torga, com o título “L’Arche”.

Dominique Stoenesco nasceu em 1944, em Besançon. Foi professor de Português no ensino público em França e atualmente dedica-se principalmente à tradução literária, sendo ainda colaborador regular do LusoJornal.

 

Consulado Geral de Portugal em Paris

6 rue Georges Berger

75017 Paris

 

 

Gostou deste artigo? Vote, participe!
Votação do Leitor 4 Votos
4.8