Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

Quase dois anos após a publicação do primeiro volume, eis «Exílios.2 – Testemunhos de exilados e desertores portugueses (1961-1974)», editado pela AEP61-74 (Associação de Exilados Políticos Portugueses), sediada em Lisboa. O livro já foi apresentado em algumas localidades em Portugal e prevê-se um lançamento em Paris no dia 17 de maio próximo.

Sob a coordenação geral de Fernando Cardoso, o projeto de publicação destes «Exílios» nasceu de «conversas entre amigos e antigos camaradas que pensaram ser importante dar a conhecer memórias e histórias do seu exílio». Ao longo dos testemunhos de homens e de mulheres o leitor descobrirá «histórias nuas e cruas de uma geração que não pactuou com o regime fascista nem com a guerra colonial», diz-nos ainda Fernando Cardoso.

Em «Exílios.2» são 29 testemunhos que, sublinha Miguel Cardina, autor do prefácio, «enquanto parte de uma história comum, mostram-nos também a singularidade de cada trajeto biográfico». No mesmo prefácio, o autor evoca o tema da guerra e denuncia «os poderes dominantes que visam descrever a guerra como inevitável e justa». Miguel Cardina também levanta neste texto a questão da deserção que «em Portugal é polémica e quase tabu» – retomando a definição de Irene Pimentel.

Sem pretender fazer um retrato representativo de todos os percursos de deserção, neste livro, diz-nos ainda Miguel Cardina, «ao saírem do silêncio, estas vozes obrigam a que se considere a deserção como parte integrante da história da resistência à ditadura e de combate cirscunstaciado à guerra e ao colonialismo. Elas ajudam-nos a pensar este país que, ainda hoje, vive refém de imagens, ora complacentes, ora ressentidas, relativas à guerra e ao seu passado colonial».

Além de dar corpo às memórias e além do aspeto quase pedagógico, pela sua autenticidade e espontaneidade, os 29 testemunhos de «Exílios.2» lêem-se com imenso interesse.

Assinalamos por fim, neste volume, o posfácio de Ana Benavente e um CD com músicas de Tino Flores gravadas ao vivo em Sartrouville (região de Paris) em 1970.

 

Bataille de la Lys

 

 

Gostou deste artigo? Vote, participe!
Votação do Leitor 9 Votos
8.2