Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

Faz hoje, dia 12 de julho de 2018, exatamente um ano que o LusoJornal lançou a atual versão digital do jornal.

Esta não era uma aposta nova já que, desde 2004, o LusoJornal estava disponível, em pdf, no site internet do jornal. Foi a fórmula que encontrámos para chegar mais longe, para atingir mais leitores, em todo o território nacional.

Mas impunha-se uma versão mais moderna e interativa do site do LusoJornal, com mais notícias, com mais informação, mais reativa e mais interativa.

Penso que conseguimos ganhar esse desafio com os meios que tínhamos. Chegamos hoje a muito mais leitores, temos muito mais informação e continuamos com a credibilidade que já tínhamos.

Um ano depois, é tempo de reflexão.

Para conseguir desenvolver o projeto do LusoJornal digital, tivemos de sacrificar uma parte do LusoJornal em papel. Mas a edição em papel continua a ser de grande importância.

Curiosamente, apesar da era numérica em que vivemos, os leitores dão mais credibilidade às notícias publicadas no jornal em papel. Pedem-nos todos os dias esta materialização da notícia. É curioso!

Recentemente visitei uma associação que enquadrou os 8 artigos que, ao longo destes 14 anos, o LusoJornal escreveu sobre eles. Estavam enquadrados, pendurados na parede, ao lado dos outros troféus do clube. Apenas um jornal local francês tinha escrito uma vez, uma “breve” sobre esta associação.

Um amigo confessou-me há pouco tempo que deixou de ir buscar o jornal à agência bancária mais próxima da casa dele, porque já não se lembra se o jornal sai esta semana ou na seguinte. Ficou perturbado com esta passagem a quinzenal.

E aquele colaborador voluntário que nos envia um artigo e nos pede por favor se pode ser publicado, para além da versão numérica, na versão em papel do jornal.

Orgulho-me destas reações.

Há 14 anos, quando o LusoJornal nasceu, diziam-me que os Portugueses de França não tinham práticas de leitura. Se não as tinham, fomos nós que contribuímos para que as viessem a ter. E porque raio os Portugueses de França haviam de ser diferentes do resto da população e do resto dos Portugueses, resistindo à leitura?

Em 14 anos de existência, o LusoJornal criou hábitos de leitura, fidelizou os leitores, porque falou deles.

Parece-me pois fundamental guardar a versão em papel do LusoJornal.

Reduzindo a importância do digital? Não. Claro que não. É no digital que está o futuro, quando forem encontrados meios de financiamento alternativos e independentes para a informação digital, e quando a guerra contra as falsas notícias for verdadeiramente eficaz.

Este momento de reflexão é excitante, confesso. Leva-nos a olhar o mundo com muito interesse. E leva-nos a compreender melhor os nossos leitores, a nossa Comunidade. A tarefa é mais fácil para nós, porque sempre nos interessámos pela Comunidade portuguesa de França, e falamos apenas dela. Somos pois especialistas nesta matéria. Porque não o assumir?

Querem os leitores refletir connosco sobre estes assuntos?

 

Carlos Pereira

Diretor do LusoJornal

 

Gostou deste artigo? Vote, participe!
Votação do Leitor 12 Votos
7.5