Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

Baião e Cormeilles-en-Parisis assinaram Protocolo de Geminação

LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha

As localidades de Baião e de Cormeilles-en-Parisis (95) assinaram este fim de semana um Protocolo de Geminação, na presença dos respetivos autarcas, do Deputado eleito pelo círculo eleitoral da Europa, Paulo Pisco, e do Cônsul Geral de Portugal em Paris, António Moniz.

“Tudo aconteceu muito rápido. A partir do momento em que identificámos um bom parceiro, somos pragmáticos e passámos à ação” disse ao LusoJornal o Presidente da Câmara Municipal de Baião, Paulo Pereira, que chefiou a delegação daquele conselho que se deslocou a França.

Cormeilles-en-Parisis começou por mostrar interesse numa geminação com Portugal em 2015 e para encontrar uma vila portuguesa interessada, muito contribuiu a implicação do escritor Manuel do Nascimento que reside precisamente em Cormeilles.

Nos finais de 2017 tudo se acelerou. Uma delegação de Cormeilles-en-Parisis deslocou-se a Portugal no início deste ano. Em abril foi a vez de uma delegação de Baião se deslocar a França. Uma primeira cerimónia de assinatura do Protocolo de Geminação teve lugar em Baião no fim do mês de agosto e agora o documento foi assinado em França.

“A Comunidade portuguesa foi implicada e ajudou-nos muito, assim como o Consulado de Portugal em Paris que nos ajudou a encontrar a ‘chave’. Tivemos sorte, encontrámos as pessoas certas” disse ao LusoJornal o Maire Yannick Boëdec.

Todo o fim de semana foi dedicado a Portugal. A Associação Franco-Portuguesa local animou um stand de apresentação de Baião durante o Fórum das associações e à noite organizou uma noitada de rusgas, com as tocatas de 9 grupos de folclore portuguesas da região parisiense, que só terminou por volta das três da madrugada.

No domingo teve lugar a cerimónia protocolar. A mesa estava coberta com a bandeira de Portugal, o que impressionou bastante o Presidente Paulo Pereira. “Foi como se fosse um convite para nos sentimos como em casa” disse ao LusoJornal.

Yannick Boëdec evocou a beleza de Baião e do vale do rio Douro e apelou para que os habitantes de Cormeilles vão descobrir a região. Depois lembrou as relações históricas de Portugal, começando no primeiro rei de Portugal, D. Afonso Henriques, que era filho do Duque de Bourgogne, até às disputas no Brasil e às invasões de Napoleão. “Entre primos pode haver desavenças, mas os nossos dois países sempre foram amigos” disse no seu discurso. Lembrou ainda a forte presença portuguesa na cidade e disse que “havia mais bandeiras portuguesas do que francesas” durante o Europeu de futebol. “Mas não me peçam para comentar o resultado” disse com ironia.

Por seu lado, o Presidente Paulo Pereira apresentou um vídeo sobre Baião e referiu que “há um conjunto de semelhanças ou paralelismos que facilitou esta Geminação. Cormeilles está em relação a Paris, como Baião está em relação ao Porto. Há um conjunto de pessoas que procuram Cormeilles porque a cidade tem uma visão de desenvolvimento do seu território e aposta em elementos do seu território que para nós também são importantes” disse Paulo Pereira no seu discurso. “Desde os mais jovens aos mais velhos, a valorização das pessoas é importante. Pode haver muitas obras, mas se não houverem pessoas, pessoas que se sintam bem, então não se pode falar de desenvolvimento. Tem de haver aposta no ensino, na formação, aposta nos jovens, nos velhos, no desporto, na área ambiental, na forma como se lida com os espaços verdes, há um conjunto de aspetos muito vasto que as pessoas que aqui vivem valorizam, e são aspetos que nós próprios valorizamos muito”.

Os dois autarcas concordaram que “esta assinatura não é um fim, é o início de uma relação que só agora começa” disse Yannick Boëdec. “Somos pragmáticos e queremos que esta geminação funcione” completou Paulo Pereira.

“Eu próprio olhei para a geminação sem saber se valia a pena. Mas vi logo que era importante. Esta é a geminação que faz sentido para Baião” confessou o Presidente da Câmara lembrando que o atual Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas é de Baião, foi Presidente da Câmara antes dele, e “eu falei com ele antes de vir para cá e lembrou-me que gostava de assinar um Protocolo entre a Mairie de Cormeilles-en-Parisis, o Consulado Geral de Portugal em Paris e a associação portuguesa local”.

Pragmatismo foi a palavra mais utilizada pelos dois autarcas. Ambos querem que a geminação funcione e disseram que já estão em curso ideias “que serão anunciadas a seu tempo” para que “haja realmente uma geminação entre as duas cidades”.

Mickael Martins, o Presidente da Associação Franco-Portuguesa de Cormeilles-en-Parisis ocupou-se da organização da tarde. Enquanto um grupo de tocadores de concertina começava um espetáculo na Sala de Festas, três grupos de folclore portugueses desfilaram até à Mairie, onde “recuperaram” os dois autarcas e as respetivas delegações e “levaram-nos” a pé, pelas principais artérias da cidade até à sala de espetáculos onde atuaram os grupos de folclore.

O Protocolo de Geminação está agora definitivamente assinado entre as duas localidades e os dois autarcas prometeram “ações concretas”. Mickael Martins desvendou ao LusoJornal que já está em preparação, para os dias 15 e 16 de junho de 2019, uma Semana do Artesanato, com artesãos de Baião.

 

 

Gostou deste artigo? Vote, participe!
Votação do Leitor 8 Votos
6.2