Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

Colaboradoras do Banque BCP correram na “Parisienne” em “luta” contra o Cancro da mama

LusoJornal / Duarte Pereira LusoJornal / Duarte Pereira

Cerca de 30.000 mulheres participaram este domingo na Parisienne, uma corrida anual em plenas ruas de Paris, onde apenas podem participar mulheres, para recolha de fundos para a investigação e em particular para o combate ao cancro da mama.

Como acontece há já 8 anos, as colaboradoras do Banque BCP também participam nesta prova. Cerca de 60 mulheres que trabalham no banco percorreram os quase 7 quilómetros do percurso, desde os jardins do Trocadero, até ao Champs de Mars, aos pés da Tour Eiffel. As mais rápidas demoram cerca de 20 minutos, enquanto as “menos desportivas” necessitaram de quase duas horas para cortar a meta.

“Confesso que não sou muito desportiva e treino muito pouco. Mas nós não estamos aqui para chegar em primeiro lugar. O que conta é participar, a correr ou a andar, quando estamos um bocadinho cansadas, andamos. O principal é realmente a causa” diz ao LusoJornal Ana Isabel, uma das colaboradoras do banco.

Pelo terceiro ano consecutivo, Ana Isabel corre com a filha Inês. “A minha mãe nunca faz desporto e por isso, esta é a oportunidade para ela correr, e também é uma oportunidade de fazermos uma atividade juntas” conta ao LusoJornal.

As “atletas” juntam-se na Tour Eiffel, atravessam a ponte até aos jardins do Trocadero, seguem pelo cais até ao Grand Palais, correm pelos Champs Elysées até à praça da Concorde, voltam a atravessar a ponte até à Assembleia Nacional, fazem duas vezes a esplanada dos Invalides, regressam ao cais, até à meta no Champs de Mars.

“É uma causa muito importante. Para nós é muito importante estarmos aqui e participar nesta luta” diz Sophie, ao LusoJornal. “É um encontro anual e é muito importante estarmos aqui presentes com outras 30.000 mulheres que também querem lutar contra o cancro da mama”.

“É pela causa e pelo espírito desta corrida, porque há muitas mulheres juntas. Importante vermos que as pessoas vão todas juntas numa mesma direção. É uma causa importante na vida de uma mulher” acrescenta por seu lado Inês.

“Aderi logo e há 8 anos que faço a corrida porque penso que a causa é absolutamente fantástica. Nós sentimo-nos úteis à nossa maneira e queremos realmente que a investigação consiga fazer avanços” conclui Ana Isabel.

Apesar de muitas das mulheres correrem a título individual, a maior parte das participantes são inscritas pelas suas empresas. “Esta manifestação é magnífica porque junta mais de 400 empresas. Esta é a manifestação desportiva interempresas mais importante de França. Jogámos coletivamente, não se corre para ganhar individualmente, corremos para participar em equipa” disse ao LusoJornal Jean-Philippe Diehl, Presidente do Diretório do Banque BCP que todos os anos marca presença, com os demais Administradores do banco, para motivar a participação das colaboradoras.

Tal como acontece todos os anos, o Banque BCP tem um stand no “village” da Parisienne, onde junta, depois da corrida, as participantes e os homens que as acompanham.

“No primeiro ano tivemos uma grande participação e depois um pouquinho menos, mas temos um núcleo duro de mulheres que corre sempre e que nos pede para que não se acabe com esta corrida” conta ao LusoJornal Isabel Macedo do Departamento de Comunicação do banco, também participante na corrida.

O banco tem agências em Paris e também em várias outras cidades francesas. Este ano participaram corredoras das agências de Bordeaux, de Strasbourg, de Dijon,… “Para além de corrermos para uma causa nobre, esta é também uma oportunidade de estarmos juntas, porque não é caso durante o ano todo, falamos ao telefone, mas não nos conhecemos. Por isso, este é um momento agradável”.

“Para além da participação das mulheres do Banque BCP, com a empresa Centralepose, nosso cliente e parceiro, entregamos 10.000 euros de donativo para contribuir para a investigação contra o cancro da mama” anuncia Jean-Philippe Diehl. “É uma doença que nos afeta a todos nós e decidimos apoiar esta iniciativa” conta Artur Machado da Centralpose ao LusoJornal. Artur Machado também tem marcado presença todos os anos para motivar as participantes do Banque BCP.

Todos os anos o banco organiza um evento para a entrega do donativo e o Presidente da Fondation pour la Recherche Médicale, Denis Le Squer, desloca-se propositadamente para recolher a contribuição franco-portuguesa. Aliás Denis Le Squer passou pelo stand do Banque BCP para agradecer a contribuição e para felicitar a participação das mulheres do banco que concluíram o desafio.

 

Fidelidade

 

 

Gostou deste artigo? Vote, participe!
Votação do Leitor 4 Votos
4.3