Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

Dia 13 de setembro de 2018, a nomeada bela acordada e dinâmica cidade de Metz recebeu o Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luís Carneiro. Os portugueses residem aqui há muito tempo, bem como nas demais partes de França, na Europa e em 178 Estados do mundo. Metz figura, incontestavelmente, neste mapa da Europa e do mundo!

Foi um dia ritmado por visitas emblemáticas da identidade patrimonial e cultural de uma cidade que trabalha noite e dia para conseguir a classificação Património Mundial da Humanidade. Um dia ritmado por encontros que dizem muito da confiança no futuro que Metz nutre para com os seus, no seu porvir europeu, nomeadamente.

Assim, como não ficarmos entusiasmados pelo Centro Pompidou-Metz que cumpre com a sua promessa de Cultura para todos? Aqui, o Japão esteve no centro de todas as atenções, enobrecido pelas suas obras-primas apresentadas ao público durante um semestre de 2017, e onde as melhores obras da Fundação Internacional Calouste Gulbenkian ou as de Serralves vivem igualmente na esperança de chegar. Em breve? É o voto do Ministro e o anseio de muita mais gente conhecedora dos tesouros protegidos nestes lugares de exibição de envergadura de Lisboa e do Porto.

A exposição “Cores” deu o tom, ou melhor, os tons a este Protocolo importante que o SEC José Luís Carneiro veio assinar junto do Presidente da Câmara de Metz, Dominique Gros, e do Senhor Manuel Meireles de Sousa.

De resto, este último preside ao destino da Associação local, filha mais nova da associação mãe, nascida no início do ano de 70, com a chegada maciça de clandestinos fugidos a meio século de ditadura salazarista e cuja vida se resumia ao silêncio absoluto, sem sequer haver esperança de retirarem sustento condigno da terra de que nunca chegariam a ser proprietários, se não viesse o advento daquela “madrugada”, o da Revolução de uma flor. Uma Revolução que o mundo ainda recorda como se fosse ontem, por causa da imagem da flor nas espingardas dos Capitães de Abril que lhes ficou na retina, levando assim o Presidente da Câmara de Metz a comover-se devido a um discurso semeado de cravos vermelhos! Afinal, “Portugal é um exemplo para toda a nossa Europa!”.

Bliiida (1) não desiludiu, nem as oportunidades originais de cooperação aí propostas, num espaço em que um sopro criativo se afirma com orgulho, em todas as esquinas, a cada passo dado através dos corredores e em frente das portas de jovens concentrados em seus trabalhos. Quase a terminar a visita, até a impressora 3D grita: aqui está o nosso futuro comum!

Mamytwink (2) não a desmente para deixar Bliida erguer-se ao nível de criação da metrópole lisboeta e da sua famosa LxFactory (3), berçário de ideias, de talentos e de inovação tal como o século XXI os aguarda com ansiedade: geniais!

18h30, encontro marcado no Cloître des Récollets, na colina Sainte Croix que os Europeus de Metz conhecem bem por terem vivido lá décadas, oriundos de toda a Península Ibérica e da bota italiana, apontados como estrangeiros antes de Maastricht (4) e com direito de voto nas eleições locais e europeias, em 2001.

Ocorreram com o maior entusiasmo ao local, estando todos presentes, vestidos das cores do Minho, e à conversa com os demais líderes associativos de Metz e arredores, cujo compromisso local e geral, sem falhas, fazem da fraternidade não somente uma mera palavra mas uma realidade de todos os dias, numa cidade e na sua área metropolitana que gostam ambas sinceramente da Europa, a Europa da Paz e de todos os progressos do porvir.

Aqui cruzam-se portugueses: os progenitores com as mãos e a alma calejadas, estigmas do duro trabalho enfrentado, e a sua descendência, esta de mãos já mais mimosas. São, desde o exílio de Mário Soares e de outros companheiros dele, portugueses europeus convictos do facto que a Europa seria uma oportunidade verdadeira de emancipação e de desabrochamento para eles e os seus.

Neste dia 13 de setembro de 2018, são testemunhas oculares da assinatura de um Protocolo que reconhece a sua presença e o seu compromisso, incansável e inconfundível, a sua cidadania europeia óbvia e o seu contributo dado à fraternidade dos povos.

Haverá algo de maior importância do que a fraternidade (característica imprescindível de um novo humanismo na nossa Europa) que alguns teimam em calcar com ódio, declaração após declaração, como os Senhores Orban et Salvini?

São aqueles os herdeiros dos Navegadores do século XVI, que deram novos caminhos marítimos ao mundo, apaixonados pelo globo, que sabem “Ser Tudo”, como proferiu Fernando Pessoa (5), no início do século XX, que sabem ainda que “o local, o deles, é o universal menos os muros”, para citar agora Miguel Torga (6), já num registo mais contemporâneo, mas num século XX povoado ainda de cortejos de sombras desfiguradas e massacradas.

Tratar-se-ia do ensino da língua de Camões (7), falada por 250 milhões de locutores, de arte cinematográfica, de literatura, de poesia, de folclore, de gastronomia, de portugalidade, de partilha, de Europa, de Europa, de Europa!

Por fim, trata-se de democracia europeia. José Luís Carneiro veio transmitir uma mensagem europeia importante a estes Europeus emancipados ou mesmo visionários, que não usufruíam do direito de voto, nem aqui, nem lá, durante décadas.

Socialista e digno deste grande nome, ele é um dos maiores defensores de um leque de leis históricas votadas no dia 18 de julho passado, em São Bento, cujos concidadãos do mundo, várias gerações indiferenciadas de mono ou binacionais, são alvos felizes.

Vitória para a democracia! Doravante, ficarão automaticamente recenseados com direito de voto facilitado, respeitando-se em pleno o artigo 14 da Constituição portuguesa, após décadas sem direitos cívicos e políticos inteiros.

Trata-se de milhões de pessoas, entre as quais pessoas de Metz. Trata-se de democracia europeia quando a vida destes cidadãos é partilhada entre dois países e servindo ambos os países, e, por vezes, mais. “Votem, cada vez que forem chamados a votar, aqui e lá, para vós e os vossos filhos. Votem para a Europa que sóis, hoje à noite, a Europa que queremos, a dos povos, linda e fraterna!”

Aconteceu no dia 13 de setembro, em Metz.

Foi um dia de Protocolo, um dia para a história europeia de Metz.

Merci!

 

 

(1) http://tcrm-blida.com/

(2) www.mamytwink.com

(3) www.lxfactory.com

(4) Assinatura do Tratado dito de Maastricht 1999

(5) Escritor e poeta português (1888-1935)

(6) Escritor, poeta e uma das figuras maiores da literatura portuguesa do século XX (1907-1995)

(7) Escritor e poeta português que uniformizou a língua portuguesa (1525-1580)

 

 

Gostou deste artigo? Vote, participe!
Votação do Leitor 9 Votos
3.5
X