Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

O Evangelho do próximo domingo surpreende pela sua brutal honestidade. Quando o Evangelista São Marcos escreve esta página, já São Tiago tinha sido assassinado (decapitado em Jerusalém por volta do ano 44) e São João tinha sobrevivido à prisão e a várias perseguições. No entanto, o Evangelho não faz “descontos” a estes grandes santos e descreve o embaraçante privilégio que os dois irmãos exigiram de Jesus…

«Mestre, nós queremos que nos faças o que Te vamos pedir». Jesus respondeu-lhes: «Que quereis que vos faça?» Eles responderam: «Concede-nos que, na tua glória, nos sentemos um à tua direita e outro à tua esquerda».

Que triste figura! Mas o Evangelho conta a Verdade e não tenta esconder os defeitos e os limites dos apóstolos. Aliás, Marcos ainda nos diz que os outros dez discípulos ficaram indignados com os dois irmãos… provavelmente, porque também queriam pedir a mesma coisa!

Este Evangelho é uma página sincera que nos obriga a olhar para o nosso modo de ser Igreja. Felizmente, não é raro encontrarmos nas nossas Comunidades pessoas extraordinárias, capazes de servir o Reino com discrição e humildade. Lamentavelmente, também vemos (e por vezes até sentimos) a tentação do aplauso e da glória, dos títulos e das homenagens, do poder e do autoritarismo.

Neste domingo, Jesus Cristo (que limpou os pés dos discípulos, curou doentes e visitou ladrões e prostitutas) recorda-nos que, na Igreja, quem quiser tornar-se grande, será servo e quem quiser ser o primeiro, será escravo de todos. E os “títulos” (bispo, padre, catequista, animador…) se os há, são nomes de serviços, não motivos de vã glória! Na comunidade cristã, só o Amor ocupa o primeiro lugar!

 

 

Gostou deste artigo? Vote, participe!
Votação do Leitor 3 Votos
8.6