Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

A associação Autres Brésils organizou, sexta-feira passada, dia 19 de outubro, às 21h00, na Maison de l’Amérique Latine em Paris, uma mesa redonda sobre as eleições presidenciais no Brasil.

A pouco mais de uma semana da segunda volta, a jurista Carol Proner e a responsável América da Amnesty International France, Geneviève Garrigos, moderadas por Rachel Knaebel, jornalista da Basta, fizeram um resumo do que se passa neste momento no país, sobretudo para os franceses que poderiam estar menos informados sobre a situação. Numa rápida sondagem, de mão levantada, feita pela moderadora sobre quantos Brasileiros estavam presentes na sala podemos verificar que eram cerca de metade dos presentes.

No domingo dia 7 de outubro teve lugar a primeira volta da eleição. O candidato da extrema direita Jair Bolsonaro ficou em primeiro lugar com 46% dos votos e o candidato do PT (Partido dos Trabalhadores), Fernando Haddad, ficou em segundo lugar com 29,3% tendo sido, portanto, ambos qualificados para a segunda volta. A associação Autres Brésils qualifica estes resultados de “eletrochoque” e ainda que “a classe política brasileira parece ter sido atravessada por uma vaga anti-sistema”.

Neste contexto, melhor que uma análise a quente da primeira volta Autres Brésils diz “propor um tempo de reflexão para melhor compreender o que este resultado diz da sociedade brasileira atual e apresentar perspetivas para a segunda volta prevista para dia 28 de outubro e o futuro que se desenha para o Brasil depois desta eleição”.

O tom foi dado desde o início, a mensagem unanime foi a de que o que está em causa não é uma eleição entre dois candidatos de partidos distintos, mas entre a democracia e o fascismo. As intervenientes relembraram as várias declarações racistas, machistas, pró-militares, anti-direitos humanos e anti-ecologia do candidato da extrema-direita. E apesar de alguma esperança o que prevaleceu foi um diagnóstico muito alarmante sobre a situação atual do Brasil, tanto a nível social como económico e que essa situação só poderia piorar com a eleição do candidato da extrema-direita. Foi ainda referido como preocupação o aumento dos ataques a pessoas LGBTI e negras no seguimento da vitória na primeira volta de Jair Bolsonaro. A questão de uma campanha baseada em fake news instilada a partir das redes sociais, nomeadamente do WhatsApp revelada pelo jornal a Folha de São Paulo também foi salientada.

Os organizadores solicitaram os presentes para que participassem na manifestação do sábado dia 20, às 15h00, no local simbólico da Place de la Bataille de Stalingrad em Paris.

A associação «Autres Brésils» foi criada em 2002 através da iniciativa de pessoas brasileiras e francesas, que tinham como preocupação elaborar instrumentos de informação e de intercâmbio sobre o Brasil e lutar contra os clichés e os preconceitos sobre o Brasil. Fruto dessa preocupação nasceu no mesmo ano, em outubro, o site internet «Autres Brésils». O site internet de informação é redigido em francês para que o público francófono possa descobrir a sociedade brasileira.

O site faz a difusão e sobretudo a tradução em francês de artigos, reportagens, análises, pontos de vista e testemunhos sobre o Brasil em proveniência de uma rede de parceiros franceses e brasileiros. São igualmente propostos ao público dossiers temáticos, mais aprofundados, que tratam de grandes problemáticas sociais.

Para além do site internet, a associação «Autres Brésils», também organiza projeções de documentários, nomeadamente no âmbito do Festival anual «Brésil en Mouvements», e organiza, igualmente, debates e mesas-redondas, com o objetivo de decifrar as questões de sociedade que dizem respeito tanto ao Brasil, como a França e à Europa.

A associação «Autres Brésils» é, ainda, um centro de documentação sobre a sociedade brasileira, e propõe o aluguer de filmes e de exposições.

 

www.autresbresils.net

 

Gostou deste artigo? Vote, participe!
Votação do Leitor 1 Voto
10.0