Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

ARCOP de Nanterre organizou um “Serão à volta do linho”

LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha

A associação ARCOP de Nanterre organizou no sábado passado um “Serão à volta do linho”. O evento contou com a participação do grupo de cavaquinhos da ARCOP e do grupo Raízes e Tradições.

Manuel Brito, Presidente da associação, garante ao LusoJornal que “esta é a primeira vez que se realiza este Serão à volta do linho na associação, mas também é a primeira vez que um evento desta natureza é organizado na região parisiense”.

“Com o apoio dos sócios desta associação, fizemos um serão muito bonito, mesmo eu fiquei impressionado” confessa Manuel Brito.

“Isto nasceu das senhoras da associação, mas o material veio todo de Portugal. Tivemos reunião de Direção antes das férias e combinámos que durante as férias cada um trouxesse material de Portugal, para termos tudo o que é necessário”.

Até sementes vieram de Portugal e foi semeado um talhão de linho que foi exposto no dia do Serão. “É impressionante como é desta erva que sai todo o material de artesanato, roupa, toalhas,… Estamos todos encantados” assume Manuel Brito.

Tudo foi muito pedagógico. Quem não conhecia o ciclo do linho, ficou a conhecer. “Aprendemos muita coisa” diz o Presidente da ARCOP. “É um orgulho enorme. É para isto que servem as associações, para guardar as tradições. Foi um evento real como se passava no tempo dos avós”.

Depois do jantar, o grupo Cantares e Trabalho deu vida aos instrumentos, reconstituindo o ciclo do linho. A festa acabou com um convívio de concertinas para todos, ao som de Viras, Chulas e Canas Verdes.

No domingo, a mesma associação organizou um Festival de folclore com 7 grupos: Minhotos de Viana do Castelo de Vitry-sur-Seine, As Margens do Lima de Choisy-le-Roi, Flores de Portugal de Ballancourt, Estrelas de Portugal de Cergy-Pontoise, ACCP Raízes do Minho de Puteaux, Estúrdia do Alto Minho de Ormesson-sur-Marne e, claro, o grupo folclórico da ARCOP de Nanterre.

No próximo domingo, dia 11 de novembro, a associação organiza o magusto de S. Martinho e oferece castanhas e água-pé, na sede da coletividade, 20 rue de Suresnes, em Nanterre. No dia 9 de dezembro organiza a habitual Festa de Natal para agradecer aos sócios que trabalham durante o ano “Este é o salário que nós damos a todos”.

Nos dias 12 e 13 de fevereiro, a associação vai comemorar os 25 anos do grupo de folclore que representa Ponte da Barca.

Nos dias 12, 13 e 14 de abril, sempre no Domingo de Ramos, a ARCOP organiza mais uma edição da Feira e Festa de Produtos portugueses.

No fim de julho, a associação organiza um piquenique de verão para agradecer o apoio dos voluntários.

 

Gostou deste artigo? Vote, participe!
Votação do Leitor 4 Votos
7.4