Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

Para sermos felizes… para não desperdiçarmos a própria vida… que devemos fazer? Uma resposta bem comum é esta: «Enriquece; diverte-te; acumula; mima-te com tudo de bom que a vida oferece. Coloca-te ao centro; defende a tua posição; vive para ti; persegue o teu prazer». Muitas pessoas acreditam que esta seja a fórmula mágica para serem felizes! Mas será verdade? São realmente estas as coisas que dão sentido à vida? E se nos enganássemos? Se tivéssemos investido o nosso tempo, a nossa energia (a nossa vida) no projeto errado? E se todas estas coisas (dinheiro, fama, sexo, diversão…) fossem apenas uma distração, que procura preencher o vazio da nossa vida, mas que não consegue realmente saciar a nossa sede de felicidade?

As multidões perguntavam a João Baptista: «Que devemos fazer?» E no evangelho do próximo domingo, dia 16, encontramos a sua resposta, que é de uma simplicidade desarmante: «Partilha o que tens. Não roubes. Não sejas violento». Só isto? É esta a grande sabedoria do profeta do deserto? É tudo tão simples que quase nos desilude… Mas João tem razão: é nas coisas pequenas e simples que se manifesta a força de Deus. É no quotidiano que a salvação se revela e que a felicidade se constrói. A que servem os raros grandes gestos heroicos se, habitualmente, vivemos vidas desinteressadas e egoístas?

Deus Pai não nos pede gestos teatrais e espalhafatosos: pede-nos perseverança, continuidade. Ele convida-nos a acolher o seu filho que dorme na manjedoura de um pequeno estábulo em Belém. E esta criança, tal como todos os recém-nascidos, não quer confusão e barulho… mas precisa diariamente de carinho e cuidados constantes.

 

 

Gostou deste artigo? Vote, participe!
Votação do Leitor 3 Votos
9.7
X