Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

No próximo domingo celebramos a solenidade da Epifania (palavra de origem grega que significa “manifestação”) e o Evangelho descreve-nos três reações, bem distintas, à notícia do nascimento de Jesus Cristo: a de Herodes, a dos escribas e a dos magos.

A atitude de Herodes é a mais violenta: para ele, a única coisa importante é poder continuar pela sua estrada e viver como sempre viveu. Entre a sua vontade e a de Deus, ele escolheu a primeira e procura silenciar a segunda.

Quando Herodes pergunta aos seus escribas o lugar onde o Messias deveria nascer, estes não hesitam e dão imediatamente a resposta certa: Belém! No entanto, para nossa surpresa, eles não partem ao encontro do Menino… Conseguem indicar o Caminho aos outros, mas não estão dispostos a segui-lo. É uma atitude muito comum hoje em dia: conhecemos o Evangelho, mas falta-nos a coragem de viver a sua radicalidade e portanto, permanecemos numa vida que pouco ou nada se distingue das vidas de quem não tem fé.

A última reação é a dos magos que, sem perder tempo, se lançam à estrada e deixam para trás o conforto e a segurança das próprias casas. Têm sede de Deus e por isso colocam-se a Caminho, prontos a abandonar tudo o que conheciam. E são sempre eles, os magos, que nos dão esta última indicação preciosa: «avisados em sonhos para não voltarem à presença de Herodes, regressaram à sua terra por outro caminho». O encontro com Cristo muda-nos e obriga-nos a viajar por uma nova estrada, pois esse encontro (se for verdadeiro, se for autêntico) determinará uma profunda conversão e uma mudança radical de direção nas nossas vidas.

 

 

Gostou deste artigo? Vote, participe!
Votação do Leitor 2 Votos
5.1
X