Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

É residente fiscal francês e investiu em Portugal? Quais são as consequências fiscais em França e como otimizar os ativos detidos em Portugal?

 

Como evitar a dupla tributação?

Do ponto de vista fiscal, quando um residente fiscal francês compra um imóvel em Portugal ou tem ativos neste país, a dificuldade é saber que Estado tem o direito de exigir a tributação desse imóvel.

De facto, sendo um residente fiscal francês e possuindo ativos ou bens em Portugal, a situação está exposta à legislação dos dois países. Qual é a lei aplicável? A lei do país onde a propriedade está localizada, ou a lei do país de residência fiscal do proprietário?

Existe então um risco de dupla tributação sobretudo quando as regras fiscais podem diferir de um Estado para outro.

Esta situação apenas poderá ser resolvida através de convenções celebradas entre os dois Estados para evitar a dupla tributação (estabelecida sobre o modelo de convenção da OCDE).

 

A sua propriedade e renda estrangeira devem ser declaradas às autoridades fiscais?

Mesmo quem tiver uma propriedade localizada em Portugal, permanecerá sujeito a obrigações relacionadas ao sistema tributário francês e, particularmente, ao imposto sobre os rendimentos.

Em princípio, os rendimentos provenientes de bens imobiliários portugueses são tributados no Estado Contratante em que esses bens estiverem situados, ou seja em Portugal.

No entanto, esses rendimentos devem ser declarados também em França. Essa declaração deve ser feita independentemente de ser tributado ou não, de modo a que as autoridades fiscais francesas possam determinar a taxa tributária.

A dupla tributação será evitada com as convenções fiscais, mas a taxa tributária será aplicável a todos os rendimentos tributáveis em França. O que tem como consequência aumentar a imposição.

Além disso, o IFI (Impôt sur la fortune immobilière) é calculado sobre o conjunto do património mundial. Estejam os seus ativos localizados em França ou no estrangeiro, o seu valor será tido em conta para definir o seu património líquido e, assim, determinar se é contribuinte pelo IFI em França.

No entanto, tal como acontece com o imposto sobre o rendimento, as convenções internacionais podem derrogar esta regra.

No caso de venda dos seus bens estrangeiros, será tributável em França sobre o lucro de capital realizado.

Os acordos internacionais, no entanto, distinguem lucros imobiliários de lucros de capital. Em princípio, a tributação é feita pelo país onde a propriedade está situada em termos de lucros imobiliários e pelo país de residência do contribuinte para lucros de capital. Além disso, o investimento do capital realizado graças a esse valor agregado também será enquadrado.

 

Há obrigação de declarar as contas em Portugal?

Em geral, deve declarar as referências de contas abertas, usadas ou fechadas, em Portugal.

Devemos estar particularmente atentos a essa obrigação porque, na ausência de uma declaração, as autoridades fiscais vão considerar que estão escondidos rendimentos tributáveis. Além disso, a administração tributária tem um período especial de 10 anos, e não 3, para fazer um ajuste fiscal.

Se tiver uma conta em Portugal não declarada em França, saiba que existem etapas para regularizar sua situação e beneficiar de uma redução de sanções.

O advogado encarregado da lei tributária verificará as regras do país onde a propriedade está localizada, mas também até que ponto você estará sujeito à tributação francesa. Ele também investigará se os acordos bilaterais cobrem o seu projeto para beneficiar das melhores soluções fiscais.

 

Carla Fernandes

Avocat Associé

SELARL RSDA

11 rue René Goscinny

75013 Paris

fernandes@rsda.eu

Infos: 01.47.03.13.13

www.rsda.eu

 

 

Gostou deste artigo? Vote, participe!
Votação do Leitor 22 Votos
5.6
X