Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

65 autores lusófonos reunidos em “Contágios” – Um livro que nasceu do projeto “Mapas do Confinamento”

Cultura

 

Quando os escritores portugueses, Gabriela Ruivo Trindade e Nuno Gomes Garcia, ambos emigrantes, ela em Londres e ele em Paris, começaram o projeto Mapas do Confinamento (ver AQUI), não imaginavam que, um ano depois, este “exercício de memória futura” estaria a ser traduzido para chinês, francês e inglês, e que contaria com quase 150 membros, por entre escritores, poetas, ilustradores, fotógrafos, atores e tradutores, além de ter construído parcerias com a Gulbenkian e as Universidades de Oxford, Pequim e Jean Monnet.

Deste projeto nasceu “Contágios”, este primeiro livro de contos e crónicas publicado pela Visgarolho, uma jovem editora de Aveiro, também ela nascida em tempos de pandemia.

“Contágios” é o resultado da contaminação artística que atravessou continentes e juntou artistas que usam a língua portuguesa para produzirem a sua arte.

Um livro que conta com os trabalhos que 65 escritores portugueses, brasileiros, moçambicanos e angolanos, muitos a viver em países como a França, o Reino Unido ou os EUA – uns já consagrados e outros que publicam pela primeira vez – produziram durante os vários confinamentos provocados pela pandemia.

“Contágios” conta com textos de autores residentes em França. Além de Nuno Gomes Garcia, esta coletânea conta com narrativas de Agnaldo Bata, escritor moçambicano que estuda na Universidade de Nanterre, da jornalista brasileira Mazé Chotil, há muitos anos a viver na região parisiense, e de Luísa Semedo, autora portuguesa de origem cabo-verdiana que reside igualmente em França. Neste livro participa também Ricardo Figueira, jornalista da Euronews que publica pela primeira vez um conto e que participou na primeira apresentação pública de “Contágios”, que ocorreu na passada semana na cidade do Porto, em pleno Teatro Rivoli durante o Fantasporto deste ano.

A estes cinco autores a viverem em França somam-se mais sessenta como a angolana Aida Gomes, os brasileiros Nara Vidal e João Anzanello Carrascoza, os portugueses Ana Cristina Silva e Nuno Camarneiro e os moçambicanos Mélio Tinga e Almeida Cumbane.

Para os cofundadores, o Mapas do Confinamento é “um manifesto de revolta contra as políticas desastrosas de apoio à cultura” mas principalmente “um projeto pioneiro que uniu na cultura o que os oceanos e uma História conturbada e ainda mal resolvida separam”.

“A arte e a literatura”, refere Nuno Gomes Garcia, “são os principais instrumentos para unir os vários povos que falam português numa época em que posição geoestratégica da língua portuguesa no mundo se irá alterar substancialmente”. Gabriela Ruivo Trindade e Nuno Gomes Garcia referem no prefácio do livro que “as projeções da ONU apontam para que, no ano 2100, existam cerca de 500 milhões de falantes de português no planeta. Desses, 276 milhões viverão em África, onde hoje são cerca de 60 milhões”.

Rui Miguel Almeida, fundador da Editora Visgarolho, salienta que neste livro “a diversidade da nossa língua comum fica aqui bem evidenciada, lado a lado convivem a riqueza vocabular de Angola, Brasil, Moçambique e Portugal”, acrescentando que ele próprio “descobriu novas vozes da literatura em português, por vezes já consagradas no seu país de origem, mas desconhecidas na restante lusofonia, realidade que importa combater”.

Este livro encontra-se já à venda nas livrarias portuguesas e o projeto, agora em quatro línguas, continua a crescer.

 

Donativos LusoJornal
X