Brincando com palíndromos

Opinião

 

Amamos a língua francesa, adoramos a portuguesa. Nous adorons faire des jeux de mots dans la langue de Molière, nous aimons le subtil de la langue de Camões.

Caros leitores, a história que vamos contar é talvez um pouco estranha: o leitor pode escolher ir ao último parágrafo e voltar depois novamente ao início do nosso texto ou tentar descobrir a «subtileza» do que passamos a escrever.

A história começa assim:

Há anos quando fazíamos desporto perguntavam-nos frequentemente «anotaram a data da maratona»?

Eram momentos que apreciávamos. Em altura de férias, competimos. Para nos encorajar «saíram o tio e oito marias». Dias antes tinha havido conflito familiar, devíamos ir de férias: «adias a data da saída»?

Por «amor a Roma» ali fui correr. Má ideia? Talvez.

Apercebi-me que «o romano acata amores a damas amadas e Roma ataca o namoro».

De descoberta em descoberta, as aventuras continuam: «Luza Rocelina, a namorada do Manuel, leu na moda da Romana: anil é cor azul».

Pairava durante a visita a Roma «arara rara» que tentei agarrar. «Ato idiota».

Coisa estranha foi também ali que apreciei «o voo do ovo».

Em Lille vai lá que não vai, mas em Roma? Aconteceu que no nosso hotel «a base do teto desaba». No meio daquele barulho, estranho, contudo creio ouvir «eco: vejo hoje você»?

Chegam as críticas: os «Marujos só juram».

Não vou por meias medidas «ato idiota», contudo contrariando o meu furor «seco de raiva, coloco no colo caviar e doces».

A «Irene ri» ri, ri, enquanto eu de raiva «soluço-me sem óculos» passando o tempo com diria o francês a «ralar».

Enervado arranco com o carro, o «radar» ali perto faz das suas: uma foto. Os companheiros de viagem criticam-me «oi, rato otário».

Não estou com meias medidas, pego num «ovo» «oco» sem «reter» meu gesto… «acata o danado… e o danado ataca!». No mesmo momento coisa estranha, «ladra pardal» para me defender.

Um dos companheiros de viagem que raramente «a saca da casa», «ata» a «asa». Eu «sós» dou «socos»… «a grama é amarga».

Como vêm a viagem começou por um desporto e termina mal, aos «socos». As coisas ainda se complicaram mais, contudo «livre do poder vil» vou «reler» e «rever» o que acabo de escrever e «reter» certas palavras ditas palíndromos.

Caros leitores, façam a experiência de lerem o que está escrito entre «parentes» da direita para a esquerda e da esquerda para a direita.

Que descoberta?

 

Donativos LusoJornal