Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

António Costa veio a Paris dizer que para ter uma Europa forte tem de ter uma França forte

LusoJornal / António Borga LusoJornal / António Borga LusoJornal / António Borga LusoJornal / António Borga
Donativos LusoJornal

O Primeiro Ministro português, António Costa, veio hoje a Paris para um almoço com o Presidente francês, Emmanuel Macron, e considera que os Estados-membros estão a fazer “um grande esforço” para coordenar planos de vacinação nos 27 países da União Europeia.

“Estamos a fazer todos um grande esforço para coordenar, de forma a que no mesmo dia, em todos os Estados-membros possamos iniciar o plano de vacinação. A Comissão fez um grande trabalho ao assegurar a compra conjunta”, disse o Primeiro Ministro em resposta a questões dos jornalistas à entrada do Elysée.

Tendo como principal temática a presidência da União Europeia que Portugal vai assumir já no início do próximo ano, António Costa quis reforçar antes do almoço de trabalho com Emmanuel Macron que a França é “um pilar fundamental” da União Europeia. “A França é um pilar fundamental da União Europeia e se queremos uma União Europeia forte, precisamos contar com a França a 100% na União Europeia”, disse António Costa.

O Primeiro Ministro elencou ainda as prioridades da Presidência portuguesa como a resposta à crise económica e social provocada pela Covid-19, o desenvolvimento do pilar social e ainda o reforço das relações entre a Europa e outras partes do Mundo como a Índia e os Estados Unidos.

Do seu lado, o Presidente francês ressalvou o momento em que Portugal está a assumir esta presidência, nomeadamente “um momento em que a Europa dá resposta à crise”.

“Daqui a alguns dias, Portugal vai tomar posse da presidência rotativa do Conselho da União Europeia e esta presidência acontece no momento em que a Europa dá resposta à crise, com uma Europa mais social, mais verde e mais soberana”, disse o Presidente francês.

Emmanuel Macron evocou a conferência Social que vai ter lugar no Porto, no mês de maio, e garantiu que vai participar. Esta decisão reflete “as suas convicções profundas, e que tantas vezes evocámos” para reforçar o pilar social da União Europeia. “Tanto um como outro, nós defendemos uma ambição social para a Europa, um salário mínimo europeu e a necessidade de termos mais convergência nesta matéria”.

Emmanuel Macron relembrou ainda que este momento de resposta à crise acontece no contexto “incerto do Brexit” e que tanto a França como Portugal querem que “as coisas se passem da melhor maneira possível”, mas defendendo os interesses europeus.

O encontro no Palais de l’Elysée foi o único ponto na agenda do Primeiro Ministro nesta deslocação a França.

 

Comunidade
X