Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

Conselho Regional Île-de-France organizou encontro com a Comunidade portuguesa

LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha

O Conselho Regional Île-de-France organizou na sexta-feira da semana passada, um encontro com a Comunidade portuguesa, conjuntamente com a associação dos autarcas de origem portuguesa, Cívica.

Valérie Pécresse, a Presidente do Conselho Regional, prevista no encontro, acabou por chegar demasiado tarde “porque esteve retida numa reunião com um membro do Governo, no seguimento de incidentes numa escola da Seine Saint Denis”. Por isso, foi o Vice-Presidente Patrick Karam – que também tem os Pelouros do Desporto, Tempos Livres, Cidadania, Juventude e Vida Associativa – quem deu as boas vindas aos presentes, nomeadamente ao Embaixador Jorge Torres Pereira, ao Deputado Carlos Gonçalves, ao Presidente da Câmara de comércio e indústria franco-portuguesa (CCIFP), Carlos Vinhas Pereira, e à Presidente da Coordenação das coletividades portuguesas de França (CCPF), Marie-Hélène Euvrard.

Estavam ainda presentes muitos autarcas, alguns empresários, mas também representantes de cerca de 50 associações portuguesas da região parisiense – alguns trajados com roupas dos respetivos grupos de folclore.

O encontro teve lugar no Salão Pierre-Charles Krieg, na sede do Conseil régional d’Île-de-France, na rue Barbet de Jouy, em Paris 7, e um momento de fado esteve a cargo da fadista Jenyfer Rainho.

“Há mais de 450 mil Portugueses ou de origem portuguesa na região Île-de-France, fizeram filhos, integraram-se, são trabalhadores, são pessoas que todos os dias ajudam a construir a Île-de-France, é uma Comunidade que se sente plenamente francesa, mas muito ligada à sua cultura de origem” disse ao LusoJornal Patrick Karam. “Por isso, queremos organizar este encontro todos os anos, aqui no Conseil Régional”.

Paulo Marques, o Presidente da Cívica sente que “é um objetivo atingido” e explica que “o objetivo é precisamente aproximar a Região Île-de-France da Comunidade portuguesa. Temos cerca de 627 autarcas de origem portuguesa na Região. O primeiro objetivo é conhecermo-nos, para podermos trabalhar juntos”.

Mas Patrick Karam vai mais longe e anunciou publicamente que o Conseil Régional quer apoiar um grande evento anual à volta da Comunidade Portuguesa. “A Comunidade portuguesa tem estado invisível e eu quero financiar um evento grande, numa rua de Paris, numa Mairie de Paris, com uma aldeia Portuguesa, onde as associações portuguesas possam mostrar o que sabem fazer, a sua cultura, a sua gastronomia, quero que seja grande” disse o Vice-Presidente do Conseil Régional.

Paulo Marques aceitou o desafio, mas disse que o leva a termo com a cumplicidade da rede associativa. “No próximo ano a Cívica comemorará 20 anos de existência e vamos organizar este evento” confirmou ao LusoJornal.

O Embaixador de Portugal em França, Jorge Torres Pereira tomou conhecimento desta proposta do Conseil Régional em palco. “Já existem momentos em que há um grande número de Portugueses que se encontram” diz o Embaixador ao LusoJornal, referindo-se por exemplo à Festa franco-portuguesa de Pontault-Combault ou à Gala da Cap Magellan na Mairie de Paris. “Se me pergunta se há espaço para mais um grande evento que reúna os Portugueses, é claro que há”. Jorge Torres Pereira gostou da comparação que o Vice-Presidente do Conseil Régional fez com as Comunidades Arménia e Judía. “Isto pressupõe fazer exatamente alguma coisa de índole nacional e de compacto, e eu regozijo-me com isso”.

O Deputado Carlos Gonçalves, eleito pelo círculo eleitoral da Europa lembrou que a Região Île-de-France tem o mesmo número de habitantes que Portugal inteiro. “A nossa Comunidade, para além de estar bem integrada, como foi dito nos discursos, tem uma capacidade empreendedora e contribui realmente para o desenvolvimento desta Região, contribui também para a sua internacionalização, as empresas da rede portuguesa conseguem não só investir em Portugal, como conseguem levar muitas empresas portuguesas a investir noutros países lusófonos. É uma Comunidade socialmente muito bem aceite e mantém um papel importante nesta Região” disse ao LusoJornal.

“Não queremos deixar os Portugueses esquecidos. Não é por estarem integrados que devem ser esquecidos. A nossa resposta é não. Com Valérie Pecresse, consideramos que é nosso dever dizer às Comunidades integradas que estão em França há muitos anos, que aqui estão em casa. Vamos acompanhar e estar à escuta da Comunidade portuguesa” disse Patrick Karam. “Queremos dizer-lhes obrigado. Obrigado por tudo o que nos trazem. Queremos dizer-lhes obrigado por serem uma Comunidade responsável, trabalhadora, que não parte, não queima, não comete atentados no nosso solo. Queremos agradecer-lhes por serem plenamente Franceses e plenamente Portugueses”.

O Embaixador de Portugal em França não perdeu a oportunidade de falar da língua portuguesa e das reformas em curso que a “fragilizam”. Jorge Torres Pereira fez bem em levantar o problema porque Patrick Karam concordou que “é um verdadeiro escândalo” e deixou mais uma promessa: “Eu quero financiar as associaçõe que vão ensinar português às crianças. Serão financiadas pela Região porque é importante ensinar a língua portuguesa às crianças”.

Foi uma noite de promessas que têm agora de ser concretizadas. Todos os presentes contactados pelo LusoJornal gostavam que todas se concretizassem.

 

Gostou deste artigo? Vote, participe!
Votação do Leitor 50 Votos
5.6
X