Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.
Cultura

 

O filme “Soula”, do realizador argelino Issaad Salah, é o grande vencedor da 26.ª edição do AVANCA Festival Internacional de Cinema, que terminou ontem, conquistando os prémios para melhor longa-metragem e melhor fotografia. Mas a longa metragem “Viagens em Cabeças Estrangeiras”, do franco-português António Amaral (França), recebeu uma Menção Honrosa do Júri, o prémio de Melhor Realizador, de Melhor Ator, atribuído a Julien Darney e ainda uma Menção Especial ao ator Amine Benrachid.

O festival decorreu de 27 a 31 de julho, em Avanca, no concelho de Estarreja, distrito de Aveiro.

“Voyages en Têtes Etrangères” foi filmado durante a “Contra cimeira França-África” que teve lugar em outubro de 2021 em Montpellier. Na altura, cinco militantes do Collectif Sans Papiers (CSP) de Montreuil, que decidiram ir a Montpellier, foram levados pela polícia desde que chegaram no comboio. Todos receberam uma OQTF (Obligation de quitter le territoire français) e uma IRTF (Interdition de retour sur le territoire français). Anthioumane, um dos atores do filme, era um dos 5 militantes.

O filme, independente, de António Amaral já foi selecionado para 15 festivais em vários países, e já tinha recebido 8 Prémios e 4 Menções antes do Festival Avanca.

Distribuído agora pela Quizas Films, há uma probabilidade para que o filme acabe mesmo por sair nas salas de cinema francesas.

O prémio Curta-Metragem foi para o filme “Toutes les Nuits”, de Latifa Said (França), que foi igualmente distinguida com o prémio de Melhor Argumento. A curta-metragem “Without You”, do cineasta italiano Sergio Falchi, recebeu uma menção especial.

O certame distinguiu ainda a curta-metragem de Espanha “Sorda”, de Eva Libertad e Nuria Munoz, com os prémios Melhor Som e Melhor Atriz, atribuído a Miriam Garlo, e o prémio de animação foi atribuído a “Aquamation”, de Ho-yueh Chen (Taiwan).

O filme “Soula”, de Salah Issaad (Argélia), e a curta-metragem “Sorda”, de Nuria Muños e Eva Libertad (Espanha), foram também os vencedores do prémio D. Quixote da FICC – Federação Internacional de Cineclubes.

O prémio Estreia Mundial Longa-Metragem foi atribuído a “José Luís Espinosa – o espião”, de Alfonso Palazon (Portugal), que recebeu também o Prémio Competição Avanca, e o prémio Estreia Mundial foi atribuído a “A Espuma e o Leão”, de Cláudio Jordão.

Por sua vez, o prémio Vídeo foi atribuído a “Um narrador”, de Miguel Seixas (Portugal), e o prémio Vídeo Estreia Mundial foi atribuído a “Once I passed”, de Martin Gerigk (Alemanha).

O documentário “NTURUDU – Um carnaval sem máscara”, de Arlindo Camacho (Portugal), venceu o prémio Televisão e o prémio Estreia Mundial Televisão foi atribuído a “Homebound”, de Ismail Fahmi Lubis (Indonésia).

Pela primeira vez no AVANCA, a competição Séries de Televisão distinguiu a série “Arthur” (segunda temporada), de Nick Rusconi (Suíça).

O filme “Rapariga com um espelho”, de Nuno Dias, foi distinguido com o Prémio <30, destinado a realizadores com menos de 30 anos e o filme de animação “O Antiquário”, de Manuel Matos Barbosa, foi distinguido com o Prémio Sénior.

A competição “Trailer in Motion” distinguiu o trailer “A Espuma e o Leão”, de Cláudio Jordão (Portugal), e o videoclipe “Flow my Tears”, de Henrique Vilão, Tiago Damas e Luís Ales (Reino Unido).

No AVANCA 2022 tiveram estreia mundial 30 filmes e foram exibidos 135 obras ao longo de todo o evento.

No total, 11 júris constituídos por 39 individualidades de sete países atribuíram 22 prémios e 11 menções especiais.

O AVANCA Festival Internacional de Cinemafestival de cinema resulta de uma organização do Cine Clube de Avanca e do município de Estarreja com o apoio do Instituto do Cinema e Audiovisual/Ministério da Cultura, Instituto Português do Desporto e da Juventude, além de várias organizações internacionais e entidades locais.

 

Donativos LusoJornal
X