Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.
Cultura

 

 

Um retrato da Princesa Joana, também conhecida como Santa Joana Princesa, filha do rei D. Afonso V, foi doado ao Museu de Aveiro / Santa Joana pelo galerista lusodescendente Philippe Mendes.

O quadro sobre cobre é um trabalho preparatório para uma tela produzida no século XVIII, cuja autoria é atribuída ao pintor romano barroco Michelangelo Cerutti e foi descoberto e adquirido no ano passado num leilão em Azeitão, pelo franco-português sediado em Paris.

A formalização desta oferta decorre no próximo dia 29 de abril, às 18h00, na Cordoaria Nacional, em Lisboa, por ocasião da inauguração da 19ª edição da Lisbon Art and Antiques Fair (LAAF).

De acordo com Phillipe Mendes, esta doação pretende “incentivar outros mecenas a contribuírem para que os museus portugueses revitalizem os seus acervos, e que exibam obras que de outra forma não poderiam adquirir, sem esquecer, como é óbvio, a necessária promoção e preservação da história, cultura e identidade nacional”.

Depois do fecho da LAAF, a obra irá imediatamente para Aveiro para integrar a exposição comemorativa dos 500 anos da morte da Santa Joana Princesa, patente a partir de 12 de maio no Museu desta cidade, sendo uma das maiores descobertas exibidas nesta mostra.

Philippe Mendes é formado em História da Arte pela Escola do Louvre, além de ser especialista em Pintura italiana do século XVII e também um grande entusiasta da arte portuguesa dos séculos XVI, XVII e XVIII. Aliás, disciplina que leciona na École du Louvre.

Em 2015 doou ao Louvre uma tela da pintora portuguesa Josefa de Óbidos e tem sido impulsionador para a existência da primeira sala neste museu dedicada à pintura portuguesa, que acredita estar para breve.

Philippe Mendes, que é proprietário da Galeria Mendes em Paris.

 

Presença na Lisbon Art and Antiques Fair (LAAF)

Nesta 19ª edição da Lisbon Art and Antiques Fair vai expor, além da obra da princesa Santa Joana, outras obras, com destaque para uma maquete rara arquitetónica atribuída a Mateus Vicente de Oliveira e a sua mais recente descoberta: uma peça (baptistère) em prata produzida no Brasil no século XVIII, mas que remete para o reinado português e de que existem poucos exemplares no mundo.

Mas as surpresas do galerista não ficam por aqui. Para esta edição promete surpreender com um stand fechado, contrariamente ao convencionado, com apenas pequenas duas aberturas, para proporcionar uma experiência envolvente no seu interior, através do jogo de luzes e permitir que o olhar do visitante descubra e desfrute da magnificência e detalhes únicos das peças ali exibidas.

A Lisbon Art and Antiques Fair ( LAAF) que abre ao público a 30 de Abril, reúne negociantes especializados em Arte e Antiguidades nacionais e estrangeiros. Até ao fecho, a 8 de maio, os visitantes podem apreciar milhares de obras de arte num mesmo local.

 

Donativos LusoJornal
X