Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

Comunidade

 

O Ministério dos Negócios Estrangeiros (MNE) confirmou ontem a morte de dois Portugueses em Villerupt (54), na sequência de um incêndio em 24 de dezembro, e garantiu que o Consulado Geral de Portugal em Strasbourg está a acompanhar o caso.

“O Ministério dos Negócios Estrangeiros confirma e lamenta a morte de dois cidadãos nacionais num incêndio que deflagrou na sexta-feira, dia 24, num apartamento na cidade francesa de Villerupt”, afirmou o MNE, em resposta a questões colocadas pela Lusa ao Gabinete da Secretária de Estado das Comunidades Portuguesas, Berta Nunes.

Segundo o MNE, “o caso está a ser acompanhado pelo Consulado geral de Portugal em Strasbourg, que está em contacto com as autoridades francesas e com os familiares das vítimas”. Mas, até ao momento, não foi solicitado apoio ao posto consular, revelou.

O incêndio deflagrou num edifício na noite de consoada, cerca da 1h00 da manhã e causou a morte de um casal português, Filipe Antunes, de 33 anos, e Ângela Silva, de 45. Quando os bombeiros chegaram ao local, salvaram uma família com uma filha, e uma senhora que vivia sozinha, mas não encontraram o casal português. Só na manhã do dia 25 foram encontrados sem vida nos escombros do apartamento que ocupavam no 2° andar.

O fogo, combatido por mais de 50 bombeiros, começou no primeiro andar do prédio onde morava o casal português. Mas rapidamente as chamas se propagaram ao segundo andar.

No incêndio, cujas causas ainda são desconhecidas mas acredita-se que foram acidentais, ficaram ainda feridos mais três moradores do prédio e um bombeiro, que foram hospitalizados.

No dia de Natal, uma onda de solidariedade mobilizou aquela vila fronteiriça com o Luxemburgo, a poucos quilómetros de Esch-sur-Alzette. Aliás, ainda durante a noite de consoada, a imprensa local destaca a mobilização da comerciante Sandra Duarte Pereira, que levou bebidas para os bombeiros.

 

Donativos LusoJornal
X