Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

Cultura popular: Grupo folclórico Juventude de Villeneuve-le-Roi

[pro_ad_display_adzone id="37509"][pro_ad_display_adzone id="37509"][pro_ad_display_adzone id="37509"][pro_ad_display_adzone id="37509"][pro_ad_display_adzone id="37509"][pro_ad_display_adzone id="37509"][pro_ad_display_adzone id="37509"][pro_ad_display_adzone id="37509"]

Nome da associação: Associação franco-portuguesa, desportiva e cultural de Villeneuve-le-Roi

Ano de criação da associação: 1988

Presidente: Adelino Jardim de Pinho

Mail: adelino.depinho@orange.fr

Telf.: 06.80.87.44.50

 

Nome do grupo: Juventude de Villeneuve-le-Roi

Ano de criação: 1988

Região: Lafões

Ensaiador: Inácio Matos

 

_______________________

Porque foi criado este grupo?

Este rancho foi formado em 1988 pela simples razão que naquela altura era uma época em que se falava muito do folclore em Portugal. Nessa altura decidimos representar aqui a nossa região. É uma região muito tradicional. Eu sou de lá, claro.

 

Qual é a particularidade do grupo?

Nós somos de uma freguesia muito pequena e decidimos montar aqui este rancho para representar aqui essa freguesia na região de Lafões. Infelizmente a nossa região é pouco representada aqui em França. Há poucos grupos a representar a região da Beira Alta, que é totalmente diferente da região do Minho.

 

O grupo é membro da Federação do Folclore Português?

Não. Não por não estarmos com o nível, mas porque depois de estarmos na Federação as coisas são mais difíceis.

 

Quantos elementos tem o grupo?

Atualmente temos 18 pares a dançar. No total temos cerca de 50 elementos, entre tocata, coro e dançadores, que vão desde crianças com dois anos e meio até aos 66 anos, que é o meu caso.

 

Já gravaram algum CD?

Temos um CD gravado há vários anos.

 

O vosso grupo organiza algum Festival?

Sim, organizamos muitos festivais. O nosso grande festival teve lugar no dia 1 de março, com 7 grupos, em Villeneuve-le-Roi. E organizamos vários outros eventos, como por exemplo saídas a Parques e vamos uma vez por ano a Lourdes.

 

E saídas? Tem alguma saída que marcou mais o grupo?

Já fomos várias vezes ao estrangeiro, como por exemplo ao Luxemburgo e a Portugal. No dia 7 de agosto temos uma participação prevista no festival Travidanças em Portugal. Só que é difícil juntar toda a gente para ir mais longe. Não é por não surgirem convites. Senão, fazemos muitas saídas locais. Temos várias saídas que marcaram o grupo. As atuações em casa também marcam porque temos gente muito ativa que nos dá prazer.

 

Quais são as principais dificuldades do grupo?

O folclore tem sempre fases de altos e baixos…

 

Que tipo de apoios tem o grupo?

Temos um grande apoio da Mairie de Villeneuve-le-Roi. Agradeço muito ao Maire que está sempre muito ativo, dá-nos um subsídio bom, para além das salas atribuídas gratuitamente.

 

E de Portugal?

Nada. Não temos apoios de mais lado nenhum. Nas nossas festas, recolhemos benefícios para poder viver.

 

Na sua opinião, como se porta o folclore português em França?

O folclore em França é difícil. Hoje é melhor termos um caráter muito bom para podermos levar todos os jovens. Não é nada do que era nos anos em que eu comecei, nos anos 70. Era mais fácil, havia menos grupos, as pessoas eram mais humildes, hoje temos de saber trabalhar.

 

Cultura
X