Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.
Desporto

 

O futebol feminino está atualmente parado devido aos compromissos das Seleções. No entanto, após a 9ª jornada do Campeonato francês da primeira divisão de futebol feminino, o Lyon continuar no primeiro lugar com 27 pontos, mais três do que o Paris Saint-Germain.

Na 9ª jornada, a equipa comandada pela franco-portuguesa Sonia Bompastor deslocou-se ao terreno do Issy e venceu por 0-4, na Cité des Sports, em Issy-les-Moulineaux. O Lyon venceu pela nona vez em nove jogos realizados nesta época 2021/22 da primeira divisão francesa de futebol feminino, a D1 Arkema.

Os golos da equipa do Lyon foram apontados pela francesa Melvine Malard, pela norte-americana, com origens brasileiras, Catarina Macário, pela dinamarquesa Signe Bruun e pela norueguesa Ada Hegerberg.

Com este triunfo, o Lyon lidera com 27 pontos em 27 possíveis. O Paris Saint-Germain ocupa o segundo lugar com 24 pontos.

Quanto ao GPSO 92 Issy, que conta no plantel com a luso-francesa Morgane Martins, está na última posição com 4 pontos.

Na próxima jornada, o Lyon recebe o Fleury 91, enquanto o Paris Saint-Germain desloca-se ao terreno do Issy.

O LusoJornal falou com a Treinadora franco-portuguesa do Lyon, Sonia Bompastor.

 

Triunfo por 0-4 frente ao Issy, lógico?

O resultado é bom para nós. Eu tinha dito às minhas jogadoras, antes do jogo, que este encontro era tão importante como aquele frente ao Paris Saint-Germain, que nós defrontámos. Cada jogo são três pontos e era importante arrecadar aqui a vitória. Isto para dar continuidade à nossa série positiva. O resultado é bom mas o que nós fizemos no jogo, eu acho que devemos fazer melhor. Eu acho que nós perdemos muitas bolas e não temos de perder tantas. E também em frente à baliza temos de marcar mais golos. Tivemos algumas fases de jogo interessantes, mas depois não conseguimos concretizar. As raparigas têm de ser mais exigentes com elas e com a equipa para marcar mais golos.

 

Durante o jogo, houve momentos em que não estava satisfeita…

São coisas que já aconteceram em jogos anteriores. E eu já disse às minhas jogadoras que, quando temos oportunidades, temos de marcar. Haverá jogos em que as adversárias não vão dar tantas oportunidades, e nesses momentos teremos de marcar frente a essas equipas. Elas têm de ser mais exigentes. Faltou exigência na finalização.

 

O objetivo é reconquistar todos os títulos?

Sim, os três títulos: A Taça europeia, o Campeonato francês e a Taça de França são os nossos três objetivos. Vamos tentar reconquistá-los.

 

Como se tem sentido nesse papel de Treinadora? Era um objetivo ser Treinadora depois da carreira de futebol?

Não era um objetivo principal. Mas depois, quando eu era Diretora da Academia do Lyon, surgiu a oportunidade. Estivemos a falar com o clube e chegámos à conclusão que era o momento certo para treinar o clube, a equipa profissional. O que é positivo é que eu conheço bem o clube, é o meu clube de coração, e o Presidente dá-nos um grande apoio para treinar a equipa. Eu todos os dias estou muito satisfeita por treinar estas jogadoras. Elas são muito disciplinadas e estão à escuta do que dizemos. Todos os esforços que pedimos, elas cumprem, é realmente um prazer trabalhar com elas.

 

O método da Sonia Bompastor continua a funcionar…

Até agora sim (risos). Acho que olhando para os resultados e o que elas fazem dentro do terreno, mostra que sim, ainda funciona. Estamos bem e o que é positivo para nós, para mim e para a equipa técnica, é que as jogadoras vivem bem juntas. Há um espírito de equipa muito forte dentro do balneário do Lyon e isso é importante porque quando há momentos mais difíceis nos jogos, há esta solidariedade e esta confiança entre elas que fazem ultrapassar as situações menos boas.

 

Na Liga dos Campeões defronta o Benfica, uma equipa portuguesa, é algo especial para si?

Claro que é especial. Estou contente por defrontar um clube português e sobretudo o Benfica porque a minha família é toda benfiquista. Quando defronto o Benfica é especial porque tenho muito amor e carinho por Portugal e pelo Benfica. Mas trabalho é trabalho, e quando o jogo começa, faço tudo para vencer. A 9 de dezembro vamos jogar em Lisboa frente ao Benfica, vai ser um grande prazer e um grande orgulho ir a Portugal. E o nosso objetivo será sempre vencer o jogo.

 

Há evolução no futebol feminino português?

Sem dúvida que sim. Na Liga dos Campeões, o Benfica está a mostrar uma imagem muito positiva do futebol feminino português. Nós sabemos que um pouco por todo o lado, o futebol feminino está a desenvolver-se. E Portugal tem dado grandes passos. É importante ter um clube como o Benfica na Champions, mas tem de haver outros e porque não ligados ao futebol masculino? Isso será benéfico para toda a gente. Alguns países como Portugal, Espanha ou ainda a Inglaterra estão a fazer um bom trabalho e também nos obrigam a continuar a avançar.

 

O que podemos desejar à Sonia para este final de ano e para 2022?

Faltam 4 jogos antes do fim do ano, o que posso desejar é vencer esses quatro jogos para continuar na liderança no Campeonato francês e na liderança na Liga dos Campeões europeus. Em 2022 os objetivos serão sempre os mesmos: continuar a vencer para atingir os nossos objetivos.

 

Donativos LusoJornal

 

X