II Festival Regards Croisés leva dança contemporânea e ‘workshops’ a Gaia

Cultura

 

A segunda edição portuguesa do festival transfronteiriço Regards Croisés regressa esta sexta-feira a Vila Nova de Gaia, no distrito do Porto, e promete quatro espetáculos de dança contemporânea, dois ensaios abertos e três ‘workshops’ até domingo, dia 14.

Em entrevista à Lusa, Joana Castro, Diretora artística da Kale Companhia de dança, estrutura organizadora do Regards Croisés Portugal, destacou o espetáculo “vinte e um”, uma criação da Kale Companhia de Dança em formato triplo e que celebra a partilha da visão coreográfica de André Mesquita (Portugal), Hélder Seabra (Portugal) e Christine Hassid (França) (na foto).

“Destaco em primeiro lugar o espetáculo da Kale Companhia de dança no dia 14 de novembro, porque realmente inclui em si a vertente transfronteiriça do festival [Portugal, Espanha, França]. Tem bailarinos portugueses e uma coreografia de André Mesquita, o criador português, uma coreografia do Hélder Seabra e Christine Hassid, de França. Estas três peças já foram dançadas na casa mãe do festival, que é em Biarritz (França)”, disse Joana Castro.

O segundo destaque elencado pela organizadora do evento é o espetáculo “Au delà, vu d’ici”, da companhia francesa La Cavale, que explora a relação estreita entre o corpo, o som, o indivíduo e o coletivo, colocando em cena Julie Coutand (conceito e interpretação) e Thomas Sillard (criador sonoro).

“São duas propostas muito diferentes dentro da linguagem da dança contemporânea. É igualmente abrangente, mas este festival pretende mostrar um bocadinho do que é que se faz nesses três países. É um ponto de encontro entre Portugal, Espanha e França e depois acrescem os ‘workshops’ que são dirigidos ao publico sobre o tema de cada espetáculo, os ensaios abertos”, resume Joana Castro.

Na abertura oficial, dia 12, na próxima sexta-feira, no Armazém22, a 12 de novembro, a Kale Companhia de Dança propõe, além de “Au delà, vu d’ici”, o espetáculo “Eldfell” da companhia francesa KOPFKINO, inspirada numa viagem do autor e bailarino Benjamin Coyle ao vulcão homónimo da ilha islandesa Vestmannaeyjar.

A 13 de novembro, sábado, a Companhia do País Basco Amaia Elizarán apresenta a peça “MAR”, espetáculo de dança contemporânea com Amaia Elizaran, Leire Otamendi, Xabier Zeberio na interpretação e Xabier Zeberio em nyckelharpa/violino.

O Armazém22 e o Auditório Municipal de Gaia vão acolher espetáculos de dança contemporânea e ‘workshops’, bem como os momentos de ensaio aberto e discussão entre artistas e o público.

Regards Croisés Portugal é um projeto de cooperação coreográfica para a difusão da dança contemporânea e a promoção de encontros entre o público, artistas e estruturas educativas, segundo a prática de três criadores oriundos de realidades geográficas distintas (Portugal, Espanha, França) com diferentes visões artísticas e culturais.

 

Donativos LusoJornal