Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

O Cemitério militar português de Richebourg precisa de obras

Exemplo de estela considerado com letra legível, apesar de os dados de identificação militar do soldado não poderem ser totalmente decifrados: 595 estelas (32,5%)Estela considerada com escrita parcialmente legível: 669 (36,53%)Estela com escrita considerada totalmente invisível: 567 (30,97%)Exemplo de vegetação, apesar do seu (por vezes) pequeno tamanho: 1.094 estelas (59,75%) têm vegetaçãoExemplo de estela com vegetação que a oculta. Os nomes dos soldados não podem ser lidos: 201 estelas (10,98%)A campa do único soldado português fuzilado e último na história portuguesa, José Augusto Ferreira de Almeida B 06 19Exemplo de uma estela cuja frase "Morto pela Pátria" e a data da morte estão enterradosLinha B 01 foto tirada a partir da parede esquerdaFoto da linha B 01 tirada a partir do corredor centralExemplo de uma estela considerada inclinada: 72 (3,93%)Estela de Manuel Maria Carvalho A 01 21 quebrada no chãoLinha da estela quebrada e caída A 01Outro exemplo de uma estela ilegível + cimento de base visível e quebradoEstelas com base visível quebrada de cimento + raízes que, a longo prazo, podem representar um problemaExemplo de estela com cimento de base visível quebrado e em risco de queda: 280 (15,29%)Estela de Joaquim José Baptista A 06 26 inclinada e envolvida por árvoreEstela de Alfredo Brigas rodeada pela árvore B 06 26Exemplo de uma estela ilegível escondida por floresExemplo de uma estela inclinada, com base de cimento visível e quebradaExemplo de algumas estelas quebradasExemplo de desgaste no topo de uma estela (quase todas as estelas do cemitério estão assim)Exemplo de decoração personalizadaUm dos três exemplares com placa comemorativa doada por uma Junta de Freguesia

O Cemitério militar português de Richebourg, no norte da França, onde estão sepultados 1.831 soldados portugueses que participaram na I Guerra mundial, precisa de obras.

Em francês poderíamos acrescentar que esta é uma “vérité de La Palice”, uma “verdade evidente”. Esta observação tem sido evocada pelo LusoJornal, mas também por todos quantos se deslocam a este lugar único do património português, e que nele passe um pouco de tempo a observar. Evocamos aqui o que é o único Cemitério militar português fora do país.

Por ser único e dado a importância que reveste, é nosso dever tudo fazermos para a sua dignidade e que sirva de testemunha de agradecimento para com todos os que ali estão sepultados e de uma forma geral de reconhecimento da Pátria de 2020 pelos que há mais de 100 anos tão valorosamente defenderam os valores fundamentais da Humanidade.

Temos visitado muito regularmente o Cemitério de Richebourg. A fim de alimentarmos o debate e sobretudo de incentivarmos as Autoridades portuguesas a tomar a decisão que se impõe. Recolhemos detalhadamente dados que passamos a apresentar.

Luís Gonçalves e Jean-Pierre Tintilier fotografaram todas as 1.831 campas dos soldados ali sepultados, pessoalmente passei e qualifiquei cada uma delas.

A recolha dos dados foram feitos nos dias 29 e 30 de julho e 1 de agosto de 2020.

  • Total das campas no cemitério: 1.831
  • 1.592 campas são de soldados conhecidos (87%)
  • 239 campas são de soldados desconhecidos (13%)

 

Lisibilidade das escrituras nas campas

Existem cerca de 200 estelas cuja superfície frontal está em bom estado, mas em todas as outras, a pedra apresenta-se granulada e porosa tornando a qualidade da escrita totalmente invisível ou parcialmente visível devido ao desgaste da pedra.

Quando consideramos que as inscrições são visíveis nas estelas, estamos a afirmá-lo em relação ao nome do soldado. Se olharmos para o estado da inscrição abaixo do nome, poderíamos classificar a estela como tendo inscrições parcialmente visíveis ou totalmente invisíveis. As escrituras abaixo do nome, dados do soldado, não são praticamente nunca visíveis.

De notar que a grande maioria das estelas não apresentam as últimas inscrições na parte inferior, onde poderíamos ler “Morto pela Pátria” e a data da morte. Existem duas razões para este facto: a chuva que cai sobre a terra envolvente salpica a base da estela e esta última não sendo limpa não revela este importante dado da história do soldado enterrado. A outra razão é que por vezes a estela encontra-se demasiado enterrada e aquelas indicações acabam por ficar igualmente escondidas.

Estatisticamente eis, os dados recolhidos:

  • Em 595 campas, os nomes são visíveis (32,5%)
  • Em 669 campas, os nomes são parcialmente visíveis (36,5%)
  • Em 567 campas, os nomes são totalmente invisíveis (31%)

 

A vegetação no cemitério

Em nossa opinião, toda a vegetação do Cemitério deve ser revista.

Nos cemitérios ingleses, por exemplo, geralmente há apenas rosas, por conseguinte, um só tipo de ornamento. No Cemitério português de Richebourg contabilizamos cerca de trinta qualidades diferentes de flores e arbustos, o que tem por consequência uma falta de harmonia.

As sepulturas inglesas, em geral, são mais espaçadas entre si do que em Richebourg, as roseiras são colocadas entre duas sepulturas. No caso inglês, se as sepulturas estiverem próximas, a planta colocada é rasteira e relativamente uniforme.

Na nossa observação, indicamos a presença de flores junto às estelas a partir do momento em que há algo plantado, mesmo se a conservação da dita vegetação não seja das melhores.

Para além das duas árvores que se encontram nos quadrados A e B (entrada) que circundam as duas estelas, existem outras três árvores no interior do cemitério, incluindo uma árvore de fruto, ao fundo à direita, junto do pequeno museu. A árvore no quadrado C tem raízes superficiais que crescem ao longo de fileiras de estelas. A médio prazo, corre-se o risco de assistirmos, com as árvores fundeiras, ao mesmo que acontece com as duas árvores mais próximas da estrada, as quais estão a deslocar e a envolver duas estelas.

Em fim de julho de 2020, o calor era intenso, o que explica, em parte, que a relva entre as fileiras estava quase completamente seca. Há torneiras no cemitério e até um lavatório, ao fundo à esquerda, ao lado da pequena construção que serve de depósito. A água está, contudo, cortada, o que se compreende, em parte.

De notar que 40,25% das campas possuem decoração floral. Parte desta decoração, 11%, esconde as letras e parte da frente das campas.

  • 536 campas com vegetação (29,30%)
  • 201 campas com vegetação que encobre as estelas (11%)
  • 1.094 campas sem vegetação (59,7%)

 

Estado de equilíbrio e base das campas

Há uma campa que está partida e deitada no chão desde meados do mês de junho. Aliás o LusoJornal deu já a notícia de um outro caso há um ano, que entretanto foi reparado.

Supomos que todas as campas estão cimentadas na sua base e que, num primeiro tempo, o cimento foi coberto com terra.

Com o passar do tempo, constatámos que 280 campas apresentam cimento na sua base visível e partido (15,3%). A consequência deste facto é o equilíbrio precário em que estão as ditas campas, provocando também um visível desalinhamento das fileiras das sepulturas.

  • 280 campas com cimento aparente e fragilizadas (15,30%)
  • 1.551 campas sem cimento aparente (84,70%)

 

A parte de cima das estelas, não é lisa, sinal do desgaste pela chuva, outras condições climáticas e pelo passar do tempo.

Dada a longevidade das estelas e a sua localização, não há comparação possível com o alinhamento perfeito das estelas nos cemitérios ingleses.

Não há uma só fileira com alinhamento perfeito de estelas no Cemitério militar português de Richebourg, indicamos porém nas estatísticas efetuadas que uma estela estava inclinada a partir do momento em que esse facto, fosse visível, mesmo sem nos colocarmos no alinhamento da fileira das estelas.

  • 72 campas estavam inclinadas (4%)
  • 1.759 campas estavam verticais (96%)

 

Medidas necessárias no exterior do Cemitério

No exterior do Cemitério é necessário limpar regularmente a rede de esgotos, de forma a permitir o escoamento normal das águas pluviais, evitando que o visitante não tenha que passar em chapas de água antes de entrar no Cemitério.

É necessário também construir ou adaptar as escadas para permitir o acesso a pessoas com mobilidade reduzida, assim como adaptar o acesso ao parque de estacionamento.

Também é necessário colocar, no final do parque de estacionamento, próximo do Cemitério, dois ou três bancos, de forma a permitir que os visitantes descansem, tomem notas ou reflitam. Novas árvores devem ser colocadas para dar sombra a essas novas áreas. A construção sanitários também é recomendada.

Recomendamos ainda algumas medidas de segurança entre o Cemitério e a Capela de Nossa Senhora de Fátima: por exemplo a extensão da iluminação pública (a partir da rotunda), com iluminação específica à direita da passagem (escuridão e nevoeiro), a limitação de velocidade, 100 metros antes da travessia (com realização de elevações) e materializar a passadeira entre o Cemitério e a capela de Nossa Senhora de Fátima em frente.

 

O Cemitério de Richebourg é bonito e único

O trabalho por nós realizado e as sugestões que aqui deixamos, não têm por finalidade criticar quem ao longo de diversas dezenas de anos tem tudo feito para que o Cemitério se apresente com dignidade, dentro de um certo número de condicionalismos, e que muito tem feito para a boa organização das cerimónias comemorativas da Batalha de La Lys, como é o caso de João Marques, dos seus familiares e da União Portuguesa de Richebourg.

Desejamos apenas que os elementos que recolhemos, permitam uma reflexão sobre o estado do Cemitério e sobre as obras e/ou melhoramentos a realizar nos diversos domínios abordados.

A nossa reflexão vem juntar-se, de certa forma, a outros trabalhos já realizados, como por exemplo o de Jean-Pierre Tintilier e o da Associação “Paisagens e locais de recordação da Grande Guerra”.

É óbvio que o Cemitério militar português de Richebourg nunca poderá ser comparado aos cemitérios militares da Commonwealth, a menos que se possa empregar uma pessoa a tempo inteiro ao longo do ano para cortar a relva, regar, fazer algum trabalho de arranjo, manter a vegetação em boas condições, etc. O Commonwealth emprega, por vezes, uma pessoa em cemitérios de menor dimensão do que o dos Portugueses em Richebourg.

Mas é necessário que se faça uma reflexão sobre o estado das estelas, que na nossa opinião necessitam de ser totalmente substituídas, o que implica um financiamento que Portugal poderia suportar ou cujo custo poderia ser assumido conjuntamente pelas autoridades portuguesas e porque não por mecenas particulares e empresas, com vantagens fiscais para estas.

Há também toda a vegetação a rever. Deveríamos escolher menos espécies forais para decorar as campas, tornando o conjunto mais harmonioso e que daria menos trabalho de manutenção. Manutenção que deve ser feita regularmente para contribuir que as estelas e inscrições sejam visíveis. Por que não escolher apenas um tipo de plantas? Nos cemitérios da Commonwealth muitas vezes há apenas rosas vermelhas.

Se as estelas vierem a ser substituídas, parece-nos necessária uma reflexão sobre os escritos a serem gravados, o tamanho das letras e dos números.

Visitámos regularmente o Cemitério de Richebourg e apercebemo-nos que este é muito visitado, sobretudo por alunos, o programa do nono ano escolar aborda o tema da I Guerra Mundial e o Dever de Memória. Já lá cruzámos turmas do Liceu Francês do Porto. Este liceu todos os anos visita o Cemitério com 3 a 4 turmas.

O Cemitério militar português de Richebourg é lindo. As estelas de granito, que o caracterizam, tornam-no único. Devemos manter essa especificidade, mesmo se novas estelas vierem a ser substituídas.

Visitar o Cemitério português, é visitar um cemitério diferente.

O Cemitério militar português de Richebourg ajuda a exemplificar a natureza mundial do conflito. Este caráter global é tanto mais fácil a explicar e fazer compreender dado o facto de se poder visitar também, ao mesmo tempo, o Memorial da Índia, localizado mesmo ao lado do cemitério português. Temos aqui a vantagem de visitar dois exemplares num raio de apenas duzentos metros. Notamos que o Memorial da Índia está num estado de ótima apresentação e conservação.

O facto de o Cemitério militar português de Richebourg ser candidato a Património Mundial da Unesco – no quadro de um conjunto de outros cemitérios e monumentos, demonstra a importância deste local de memória, que necessita de ser restaurado e conservado.

Renovar e restaurar o Cemitério militar português de Richebourg é uma forma não só de mostrar o nosso respeito, de agradecer aos soldados do CEP, mas também de olharmos para o futuro.

Estamos convencidos que, se as estelas fossem substituídas e que um produto impermeável fosse colocado e renovado regularmente, ficaríamos descansados para algumas décadas e com menos manutenção regular do que nas estelas do Commonwealth porque o granito desgasta-se mais lentamente que a pedra utilizada nas campas inglesas.

O turismo de memória tem-se desenvolvido nestes últimos anos, turismo que vai ocupar de futuro uma parte dos nossos tempos livres, cada vez mais importante. Tudo fazer para contribuir para o seu desenvolvimento é agir por uma desejada paz duradoura, pelo desenvolvimento do intercâmbio e pela cooperação internacional.

É nossa responsabilidade, é responsabilidade dos nossos governantes.

Vai dar-se início, nas próximas semanas à construção do Jardim Português da Paz, em Richebourg. O financiamento é francês. Esperemos que para as próximas comemorações da Batalha de La Lys venha a ser inaugurado.

Este Jardim vai atrair ainda mais visitantes, que aproveitarão para visitar igualmente o Cemitério.

Por fim, Portugal, “está na moda”. Ora, Portugal muito tem feito para pôr em evidência os seus monumentos, as suas vilas e aldeias históricas,… seria incompreensível que nada fizesse em Richebourg.

 

Veja aqui a reportagem que acompanha este artigo:

 

Comunidade
X