Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

A seleção portuguesa de andebol qualificou-se para a ronda principal do Euro2020, ao beneficiar da derrota da França com a Noruega, por 28-26, e fruto também das vitórias que conquistou sobre os Franceses e a Bósnia-Herzegovina.

Portugal, que se impôs na sexta-feira à França (28-25) e no domingo à Bósnia (27-24), totaliza quatro pontos, os mesmos da também apurada Noruega, anfitriã do Grupo D da fase preliminar, em Trondheim, e já não poderá ser apanhado no segundo lugar do agrupamento, o último que dá acesso à fase principal, pelas duas seleções que venceu.

A seleção nacional tinha-se qualificado apenas uma vez para a ronda principal, em 2002, na Suécia, na primeira edição do Europeu com o atual formato competitivo, mas em moldes mais favoráveis, uma vez que se apuravam os três primeiros classificados de cada grupo da fase preliminar, posição na qual terminou a equipa lusa.

 

Triunfo português frente à Bosnia

Portugal teve no guarda-redes Alfredo Quintana um dos principais responsáveis pelo segundo triunfo no torneio de andebol, tal como tinha acontecido perante a campeoníssima França (28-25).

A seleção lusa beneficiou da eficácia do ponta direito Pedro Portela, jogador do Tremblay em França, melhor marcador do jogo, com dez golos.

A Bósnia equilibrou as operações nos minutos iniciais, mas dois golos de João Ferraz permitiram a Portugal conquistar uma vantagem de 7-4 e o sistema ‘sete contra seis’ – uma das armas nacionais -, foi a fórmula encontrada pelo adversário para restabelecer a igualdade 10-10.

O desconto de tempo pedido por Paulo Pereira traduziu-se em dois golos marcados em menos de 30 segundos e o intervalo chegou com a vantagem mínima a favor dos portugueses, por 12-11, o mesmo resultado que se registava no fim da primeira parte no jogo com a França.

O início do segundo período revelou-se nefasto para a seleção nacional, que esteve muito tempo sem marcar e permitiu que a Bósnia ganhasse dois golos de vantagem, mas o ‘sete contra seis’ dos balcânicos proporcionou vários golos de Portugal com a baliza deserta, por Pedro Portela, já depois de nova intervenção oportuna de Paulo Pereira.

A situação dos Bósnios agravou-se com a exclusão por dois minutos quase simultânea de dois jogadores e a ‘equipa das quinas’ alcançou pela primeira vez a vantagem de cinco golos aos 22-17, que, com alguns sobressaltos, soube gerir até ao apito final.

Após 14 anos de ausência, Portugal está a disputar pela sexta vez a fase final do Campeonato da Europa de andebol – no qual tem como melhor resultado o sétimo lugar alcançado em 2000, na Croácia -, encerrando a participação na ronda preliminar na terça-feira, frente à Noruega, em Trondheim.

 

LusoJornal Artigos
X