Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

Associação Cultural dos Portugueses de Chaville organizou 39° Festival de folclore

LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha LusoJornal / Mário Cantarinha

No domingo 20 de outubro, no Ginásio Colette Besson, Stade Léo Lagrange, em Chaville, a Associação Cultural dos Portugueses dessa localidade da região parisiense organizou o seu 39° Festival de folclore.

Sete ranchos folclóricos estiveram presentes: Borda d’Água de Chaville, Casa da Barca de Thoiry, Groupe Celtique Ar Gorriganed Widreüz de Versailles, Casa de Portugal de Plaisir, Raízes do Minho de Puteaux, Roda do Alto Paiva de Orsay e Amigos Unidos de Bois d’Arcy.

Em entrevista ao LusoJornal, Amândio do Carmo, Presidente do Rancho Borda d’Água de Chaville lembrou os 39 anos passados, mas sobretudo faz um apelo aos jovens para se juntarem cada vez mais em torno da coletividade: “39 anos, é uma vida, apesar das dificuldades, como todas as associações têm. Os mais jovens terão de nos ajudar para continuar em frente com a nossa cultura. Nunca é fácil, mas com a vontade de todos, vamos para a frente. Gostaria que os jovens pegassem mais na associação. Queria deixar alguém competente na frente, mas nunca vou virar as costas, apenas gostaria de mais apoio dos mais jovens. Há jovens que integram a associação e isso é positivo, mas nem toda a gente dança as danças do Ribatejo que são difíceis”.

Amândio do Carmo abordou as dificuldades que houve para realizar este Festival de folclore. “Organizámos este festival com grandes ajudas da Mairie de Chaville. Eu ainda não sabia se ia fazer o Festival ou não por causa da sala. A bem dizer, uma semana antes do Festival não tinha a mínima ideia, mas depois a Mairie cedeu-nos a sala e ajudou-nos a proteger o chão para podermos dançar aqui”, assegurou o Presidente da Associação portuguesa de Chaville.

O Maire de Chaville esteve presente no Festival. Jean-Jacques Guillet admitiu que é um orgulho ter este festival na sua cidade e poder ver jovens lusodescendentes implicados na associação. “É uma honra para mim ver pessoas de Chaville, jovens, respeitosos da cultura do folclore dos seus pais, dos seus avós… Conservam as suas raízes. Eles são de Chaville, mas conservam as raízes do Alentejo”.

Jean-Jacques Guillet diz que “é um grupo folclórico do Alentejo, com danças dinâmicas e fizeram uma grande atuação com grande talento. Vemos que trabalharam para este resultado”.

O Maire de Chaville lembrou a importância que a associação portuguesa tem para esta localidade da região parisiense. “Sempre estivemos próximos desta associação, e sempre tivemos cuidado para ajudá-los quando devem ensaiar, porque eles precisam de ginásios da cidade para ensaiarem. Isto sem falar dos vestidos, que têm de ser bem conservados e este ano aliás mudámo-los de sítio, era uma necessidade. Estamos sempre presentes, como a associação também está sempre disponível para participar nos eventos da Mairie de Chaville”.

Por exemplo em abril, a associação participou na ‘Brocante’, e “o stand da associação portuguesa é onde passa mais gente” lembra o Maire. “Toda a gente aprecia o que é proposto no stand português”, concluiu.

O 39° Festival de folclore de Chaville acabou por ser mais um sucesso com uma tarde cheia de festividades e de danças folclóricas.

 

Gostou deste artigo? Vote, participe!
Votação do Leitor 5 Votos
8.6
X