Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

No Evangelho do próximo domingo, dia 3, Jesus pede alojamento a Zaqueu (um pecador público, chefe dos publicanos) e revela uma das verdades mais bonitas, inesperadas e comoventes do Evangelho: Deus ama todos os seus filhos, sem exceção, e não exclui do Seu amor os pecadores. Pelo contrário, é precisamente por eles que Deus manifesta uma especial predileção: «o Filho do homem veio procurar e salvar o que estava perdido».

A reação de Zaqueu é muito importante para a nossa reflexão: ele não só acolhe Jesus com alegria, mas também se converte à lógica do Seu amor. Mas atenção: repare-se que Zaqueu só muda de vida depois do encontro com Jesus. Não foi após a conversão que o amor de Deus “visitou” o pecador mas, pelo contrário, foi essa visita (esse amor) que provocou a conversão e que transformou o egoísmo de Zaqueu em generosidade.

Muitas vezes, em nome de Deus, marginalizamos e excluímos. Assumimos atitudes de censura, de crítica, de acusação que, longe de provocar a conversão do pecador, afastam-no ainda mais e levam-no a radicalizar as suas atitudes. Jesus diz-nos que só o amor gera amor e que só com amor (não com intolerância ou fanatismo) conseguiremos transformar o mundo e o coração dos homens.

No entanto, testemunhar o Deus que ama (e que acolhe todos os homens) não significa branquear o pecado e pactuar com o que está errado. Tudo aquilo que é mau deve ser combatido. Contudo, distingamos (sempre!) entre pecador e pecado: Deus convida-nos a denunciar e a combater o pecado, mas não seríamos verdadeiros cristãos se não nos esforçássemos por amar e respeitar os pecadores.

Gostou deste artigo? Vote, participe!
Votação do Leitor 1 Voto
9.0
X