Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.
Donativos LusoJornal

 

«Deus não enviou o Filho ao mundo para condenar o mundo, mas para que o mundo seja salvo por Ele». Com estas palavras, o Evangelho do próximo domingo convida-nos a contemplar uma incrível história de amor: a história do amor de Deus pela humanidade, que se traduz na oferta da vida plena e definitiva. Essa oferta é gratuita e incondicional, mas a nós, homens e mulheres dotados de liberdade, compete decidir se aceitamos ou rejeitamos o dom de Deus.

Aceitá-lo significa “acreditar” em Cristo. No entanto, não basta uma mera adesão intelectual a certas verdades da fé. “Acreditar” é escutar, acolher e seguir Jesus no caminho do amor e da entrega ao Pai e aos irmãos. Passa pelo ser capaz de ultrapassar a indiferença, o comodismo e pelo empenho em concretizar, no dia-a-dia da vida, os apelos e os desafios de Deus. Passa por despir o egoísmo, o orgulho, a auto-suficiência e os preconceitos, para realizar gestos concretos de dom, de entrega, de serviço que tragam alegria, vida e esperança aos irmãos que caminham lado a lado connosco. Neste tempo de Quaresma, somos convidados a converter-nos a Jesus e a percorrer o mesmo caminho de amor total que Ele percorreu.

Muitos vivem obcecados e assustados com a ideia de um momento final em que Deus vai julgar os homens, depois de pesar na balança as boas e as más ações. Porém, o Evangelho garante-nos que Deus não é um contabilista, a somar débitos e créditos para depois pagar em conformidade. Deus é Pai! E não condena ninguém: somos nós que escolhemos entre a vida plena e definitiva que Ele nos oferece… ou a eterna solidão.

 

Religião
X