Boa Notícia: Somos aquilo que comemos

Religião

Em 1264, um sacerdote chamado Pietro da Praga celebrava a eucaristia na igreja de Santa Cristina, na cidade de Bolsena em Itália. A tradição diz-nos que ele atravessava uma grande crise espiritual e duvidava da presença de Cristo no pão e vinho consagrados. Durante a missa, padre Pietro testemunhou um prodígio que, inicialmente, o assustou e confundiu profundamente: a hóstia que segurava entre as mãos transformou-se em carne humana de onde escorria sangue. A hóstia e o corporal de linho (manchado de sangue) foram então levados até à cidade de Orvieto, onde se encontrava o Papa Urbano IV, que pouco depois promulgava a festa anual do Santíssimo Corpo e Sangue de Cristo, mais conhecida por “Corpo de Deus”.

Mas esta festa é muito mais que uma mera recordação daqueles factos milagrosos: é um convite a refletir sobre o sentido da Eucarística nas nossas vidas. Ela recorda-nos que, no pão e vinho consagrados, Jesus está presente não como uma “coisa”, mas como uma pessoa, como um “eu” que se doa a um “tu”. Trata-se de um verdadeiro encontro com alguém e, portanto, de uma possibilidade concreta de comunhão entre pessoas. Nessa comunhão Jesus faz-se presente e pede que essa presença se manifeste na nossa vida: eis a Eucaristia!

Ludwig Feuerbach, um famoso materialista ateu, escreveu que «o homem é aquilo que come». Sem sabê-lo, este filósofo alemão deu-nos uma ótima definição da Eucaristia: graças a ela o homem pode converter-se naquilo de que se nutre, ou seja, torna-se membro da Igreja; torna-se porção do corpo de Cristo!

.

NB: Tradicionalmente a Solenidade do Santíssimo Corpo e Sangue de Cristo celebra-se na quinta-feira após a Festa da Santíssima Trindade. Todavia, nalgumas nações, tais como França e Itália, onde foi eliminado o feriado nacional, esta solenidade é adiada para o domingo sucessivo.

Donativos LusoJornal