Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

Nas últimas seis semanas, o Evangelho sublinhou várias vezes as exigências do caminho que devemos percorrer para alcançar o “Reino”. Jesus falou-nos da necessidade de liberdade em relação aos bens materiais (26º e 25º domingo); da exigência de testemunhar sempre a misericórdia e o perdão (24º domingo); do dever de renunciar a tudo o que possa ser obstáculo à missão (23º domingo); da importância de converter o nosso coração à humildade (22º domingo). Ficámos também a saber que a «porta é estreita» (21º domingo) e tudo isto acabou por suscitar nos Apóstolos (e em nós também) o pedido preocupado que abre o Evangelho do próximo domingo: «Senhor, aumenta a nossa fé!».

Esta súplica explica-se porque muitos acreditavam que a Salvação dependesse exclusivamente dos méritos do homem: se alguém cumpria os mandamentos, Deus não teria outro remédio senão salvá-lo. Deus seria apenas um “contabilista” empenhado em fazer contas, para ver se temos – ou não – direito à Salvação…

Para nos ajudar a superar esta visão “contratual” da fé, Jesus propôs a parábola do servo inútil, onde é descrita a atitude que o homem deve assumir diante de Deus: «quando tiverdes feito tudo o que vos foi ordenado, dizei: ‘Somos inúteis servos: fizemos o que devíamos fazer’». Assim, a atitude do verdadeiro discípulo frente a Deus não deve ser a atitude de quem sente que Deus lhe deve algo, mas sim a de quem cumpre o seu papel com humildade, sentindo-se um servo que apenas fez o que lhe competia. “Inúteis”, não porque sejamos incapazes, mas porque a salvação não resulta dos nossos esforços: é gratuita e procede da bondade do Pai.

 

Gostou deste artigo? Vote, participe!
Votação do Leitor 3 Votos
6.8
X