Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

A Embaixada de Cabo Verde em França acolheu, na semana passada, uma reunião com potenciais investidores no país, numa iniciativa na qual participou o Ministro dos Negócios Estrangeiros e Comunidades, que também é Ministro da Defesa, Luís Filipe Tavares.

O lusodescendente Bruno António, a quem o Embaixador Hércules Cruz mandatou para a organização do evento, explicou que a sua missão consiste “no reforço dos laços entre a França e Cabo Verde. Foi uma missão que me foi conferida pelo Embaixador Hércules Cruz, no sentido de criar estes momentos de encontro com o mundo empresarial, com Franceses, Portugueses, Africanos, da diáspora caboverdiana, mas também criar pontes com as autoridades francesas e cabo-verdianas”.

“As relações entre a França e Cabo Verde estão hoje melhores do que ontem e seguramente estarão ainda melhores amanhã” resume o Embaixador de Cabo Verde questionado pelo LusoJornal. Na sala estavam empresários franceses, portugueses, mas também caboverdianos, assim como o Deputado português Paulo Pisco, a Deputada francesa da Mayenne, membro do Grupo Parlamentar de Amizade França-Cabo Verde Géraldine Bannier, e várias outras personalidades.

Num francês perfeito – até porque estudou em França – o Ministro Luís Filipe Tavares disse que estava ali sobretudo para ouvir. Afirmou que tem trabalhado com o Ministro francês Jean-Yves Le Drian e lembrou a recente visita do Secretário de Estado Jean-Baptiste Lemoyne.

Apesar de Cabo Verde ter apenas 500 mil habitantes e pouco mais de 4.000 km2, o Ministro dos Negócios Estrangeiros recordou que o país tem mais de 700.000 quilómetros quadrados de mar. “Temos o tamanho da França” disse. Depois recordou que o país é independente desde 1975, que tem “uma democracia estável e totalmente previsível, com instituições fortes” e uma taxa de crescimento de 5,5%.

“Temos de melhorar ainda o clima de negócios” diz o Ministro. “O imposto sobre as empresas já desceu de 30% para os atuais 25%, mas queremos passar para 20% e no fim da Legislatura, em 2021, esperamos estar em 15%”. Outro dos objetivos do Ministro é o recurso a energias renováveis. “Estamos atualmente em 22% e queremos chegar a 50% brevemente”.

Hércules Cruz fala em “nova dinâmica” nesta relação com a França para aumentar os investimentos estrangeiros em Cabo Verde. “Acho que todos os Governos procuram a mesma coisa. É importante para dar a conhecer esta nova ambição, depois, é uma questão de sorte. As circunstâncias devem-nos ajudar e parece que estão a ajudar” diz ao LusoJornal. “Há uma série de reformas que estão a ser levadas a cabo em Cabo Verde. Estamos no bom momento. Desde o início do ano, e para estimular mais este intercâmbio, nós suprimimos os vistos para os cidadãos da União Europeia, que eu pessoalmente sempre defendi. Mais do que o valor, a limitação administrativa parecia-me ser uma certa barreira psicológica, então desaparecendo isso, pode parecer pouco, mas é um passo importante”.

Thierry Carrière, Presidente da Leader Production foi um dos intervenientes da sala. O empresário visitou Cabo Verde pela primeira vez em 2014 e entretanto investiu no país, criando uma empresa de fabricação de brindes turísticos. “É simples investir em Cabo Verde, as infraestruturas existem e funcionam bem, atualmente temos 3 assalariados que alimentam cerca de 20 lojas em todo o país” e o empresário francês acrescentou que “temos novos projetos, sobretudo para a ilha do Sal”.

Diretamente de Cabo Verde houve a intervenção da Advogada fiscalista Lydia Picoteiro Bettencourt. A advogada tem escritórios em Paris 17 e em Cabo Verde, e trabalha entre os dois países há cerca de 15 anos. Falou da fiscalidade em Cabo Verde e dos setores prioritários.

Finalmente Delphine de Castro, da Direção comercial da Cabo Verde Airlines apresentou as recentes transformações da empresa, com a privatização de 51%. “Sinto-me otimista com o futuro da empresa”, disse, e lembrou as ligações aéreas do país.

Bruno António prometeu mais momentos como este. “Com empresários que estão interessados em conhecer Cabo Verde como terra de oportunidades, como um país onde se pode encontrar oportunidades de negócios”.

 

LusoJornal Artigos
Gostou deste artigo? Vote, participe!
Votação do Leitor 5 Votos
7.5
X