Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

A Coordenação das Coletividades Portuguesas de França (CCPF) organiza de 20 a 27 de abril, pela 3ª vez, uma Semana de imersão linguística em Portugal com 33 alunos de português dos 7 aos 11 anos.

Esta semana é organizada em parceria com a Coordenação do Ensino Português em França, e a Quinta da Escola – Centro de Educação Ambiental, Alvados, Serra de Aire e Candeeiros onde se realizam as atividades e conta com o apoio da Direção Geral dos Assuntos Consulares e Comunidades Portuguesas (DGACCP), um organismo da Secretaria de Estado das Comunidades.

Esta experiência única de encontro entre aprendentes de português vindos da região de Paris (Brunoy, Yerres, Corbeil Essonnes, Champigny, Sucy-en-Brie, Noisy-le-Grand e Paris) tem como objetivo a prática da língua através de atividades lúdicas e de aventura, como jogos em equipa, escalada, «slide», arborismo, btt, passeios de burro…

A descoberta da riqueza da nossa cultura é também outro objetivo através de visitas a Coimbra (Portugal dos Pequeninos) e do património industrial da região de Alcobaça (visita de uma fábrica de faianças onde os alunos terão a oportunidade de pintar uma peça como recordação).

Os alunos também irão à praia de São Martinho e vão participar numa atividade de limpeza da praia no âmbito da educação ambiental. Será uma oportunidade para que as crianças tomem consciência da poluição enorme que é deitada no mar e aprendam a ter comportamentos mais respeitosos do meio ambiente.

Muitos dos alunos participam pela segunda vez nesta semana realizada pela primeira vez em 2016.

Durante a semana este grupo é acompanhado pela equipa de monitores da Quinta da Escola e também por Adelino Oliveira de Sousa e Ana Lisete Carlos professores de Português na região de Paris.

«Em França, o ensino da língua portuguesa é feito em contexto exclusivamente formal (na escola) dado que o uso desta língua não é feito fora do espaço de sala de aula, por falta de estímulos para o seu uso em situações do quotidiano. Apenas 38% das famílias de origem portuguesa dizem ser o português a língua mais falada em casa» explica o professor Adelino de Sousa. «Por isso é importante proporcionar a estes alunos experiências de total imersão linguística e cultural para aumentar o seu nível de proficiência e de prestígio da língua e cultura portuguesas. Trata-se de uma semana de aprendizagens não formais, que lhes permitem vivências diferentes das quotidianas, num espaço aberto e de contacto com a natureza através de atividades lúdicas e culturais. As diferentes tarefas propostas durante a semana requerem um uso pragmático da língua e criam condições para o desenvolvimento da competência comunicativa destes alunos».

 

 

Gostou deste artigo? Vote, participe!
Votação do Leitor 6 Votos
7.6
X