Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.
Cultura

 

O cantor português Felizardo Soares vai dar um concerto no sábado 24 de setembro, às 21h00, no Théâtre de Longjumeau (91). A primeira parte do concerto vai ser animada pelo artista convidado José dos Santos.

Felizardo Soares nasceu em Vila Nova de Gaia há 63 anos e começou a cantar na escola primária, motivado pelo professor. Com apenas 6 anos já subia aos palcos das festas das aldeias, até vir para França com os pais que emigraram em 1969.

Com 11 anos, em 1970, integrava o grupo “Progresso”, mas em 1973 entrou no conhecido Conservatoire de Mireille e aos 14 anos começou a tocar viola.

Nos anos 80 já cantava em várias festas da região de Paris e mesmo em outras cidades de França, e integrou o grupo “Volcaniques de Chevreuse”.

Mas nessa altura decidiu suspender a carreira artística para se consacrar à família e aos filhos.

Só em 2014 decidiu retomar a atividade artística e numa recente entrevista ao LusoJornal dizia que “sou velho na idade, mas novinho na música”, antes de acrescentar em francês que “C’est dans les vieux pots, qu’on fait la meilleure soupe”.

Apoiado pelos amigos e pelo público que ainda se lembrava dos anos 80, decidiu abraçar, com determinação, uma segunda carreira artística, lançando um álbum a solo onde cantava canções de Roberto Carlos.

Em junho de 2015 lançou um EP intitulado “Amigo Saúde”, em português, com 5 títulos baseados em ritmos de salsa e country. “Estou muito feliz pelo que tenho feito desde 2014. Sei que não tenho 25 anos de carreira, mas sinto que estou a avançar” disse ao LusoJornal. Em 2016 lançou o álbum “A Mourir”.

Com influências múltiplas que tanto bebem na música tradicional portuguesa como na música latina, Felizardo Soares inspira-se também em cantores como Mike Brant e Johnny Hallyday, dos quais retoma os maiores temas. Mas também escreve as suas próprias canções, sempre com um toque de autenticidade que o caracteriza.

Felizardo Soares já cantou no Alhambra, no Café de la Danse, no Réservoire,… “Faço questão, uma vez por ano, de fazer uma sala em Paris”. Recentemente cantou também em La Rochelle, em Niort, em Limoges, na Costa Brava, em Chartres… “A minha vida é assim, uma vida de boémio” diz o artista ao LusoJornal. “Quando cantamos, temos de ter paixão. Sem paixão não se trabalha bem. Mas isso acontece em todas as profissões, não é?” disse numa entrevista à colaboradora do LusoJornal Lia Gomes.

Desta vez promete ao público um “momento agradável” no Auditório Barbara do Théâtre de Longjumeau (91), onde cantará acompanhado pelos seus músicos.

 

Théâtre de Longjumeau

20 avenida du Général de Gaulle

91160 Longjumeau

Infos: 01.69.09.05.05

 

Donativos LusoJornal
X