LusoJornal / Marco Martins

Consulado de Clermont-Ferrand muda de instalações até ao final do ano

As instalações do Consulado de Portugal em Clermont-Ferrand, segunda cidade de França com mais Portugueses, devem mudar até ao final de 2020 para um centro de escritórios na cidade, disse à Lusa o Cônsul honorário.

“Estou a fazer um centro de escritório novo, em Clermont-Ferrand, e quero meter o Consulado lá dentro. Vai haver um hall para acolher as pessoas, dois escritórios. Deverá estar pronto durante os últimos quatro meses do ano”, indicou Isidoro Fartaria (na foto) em entrevista à Lusa.

Esta possibilidade foi confirmada pelo Gabinete da Secretária de Estado das Comunidades Portuguesas, Berta Nunes. “Em virtude de existência da possibilidade de mudança de instalações para um espaço mais moderno, com facilidade de acesso, estacionamento e permitindo que o Consulado honorário permaneça muito próximo da localização geográfica das anteriores instalações, confirmamos a previsão da mudança até ao final do corrente ano”, lê-se na resposta oficial enviada à Lusa.

Segundo o Cônsul honorário, a utilização da sua empresa como escritório consular era uma solução temporária quando em 2012 o Vice-Consulado com instalações próprias fechou na segunda cidade francesa com mais portugueses.

No entanto, os seis meses converteram-se em oito anos. Muitos dos utentes do Consulado chegam mesmo a pensar que o edifício onde trabalham os cerca de 75 funcionários da empresa de Isidro Fartaria é o edifício do Consulado, criando algumas situações de tensão no início, já que não compreendiam o tempo de espera com tantos funcionários disponíveis, contou.

Agora que o atendimento é por marcação e que conta com duas colaboradoras para tratar os pedidos de Cartão do Cidadão, Passaporte, nascimentos ou óbitos, o empresário português diz que as coisas correm bem. “Recebo todos os dias o trabalho do Consulado e temos todos os dias solicitações. Todos os dias assino papéis”, referiu Isidoro Fartaria, enquanto mostrava a sua caixa de e-mails cheia.

Na dependência do Consulado de Lyon, este Consulado honorário permite aos Portugueses residentes em pelo menos sete departamentos franceses não terem de se deslocar a essa cidade – uma viagem de ida e volta que pode chegar a 600 quilómetros.

As antigas instalações do Consulado, um imóvel que pertence ao Estado português, continuam ainda por vender. “Temos um prédio à venda há oito anos. Se fosse eu a dirigir, já estava vendido, renovado ou alugado”, indicou o Cônsul honorário, que diz já terem havido propostas para compra deste prédio no centro de Clermont-Ferrand.

Ainda em resposta oficial à Lusa, o Gabinete da Secretária de Estado das Comunidades Portuguesas confirmou que o prédio está “devoluto” e “à venda”.

Segundo Isidoro Fartaria, as contas correntes das atuais instalações são suportadas por si, com o Estado português a dar uma verba a cada seis meses que é utilizada para a compra de material como impressoras, sendo o resto poupado para a eventual mudança.

Segundo estimativas, dos cerca de 400 mil habitantes de Clermont-Ferrand, entre 10 e 12% são Portugueses.

 

Comunidade