Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

Há 15 anos que os Portugueses residentes na região de Roubaix e Tourcoing, são acordados aos domingos de manhã pela voz de João Barbosa, animador do programa “A Voz de Portugal” na Radio Qui Chifel (RQC).

Para animar os programas de rádio, João Barbosa tem de passar a fronteira porque a rádio é belga e emite a partir da cidade fronteiriça de Mouscron.

Com o fim da rádio Triunfo, uma estação portuguesa no norte da França a quem o Conselho Superior do Audiovisual (CSA) retirou a frequência, os Portugueses da região ficaram sem programas em língua portuguesa. “A Rádio Triunfo foi uma rádio que durou vários anos e que ligava toda a Comunidade portuguesa nesta região. Era uma rádio que unia os Portugueses” conta João Barbosa.

Um dia, um amigo sugeriu a João Barbosa que fizesse programas a partir da RQC em Mouscron (95,0 FM). “Eu respondi que sim. Podíamos tentar fazer qualquer coisa que nunca tinha sido feito antes”.

Mas João Barbosa também nunca tinha feito rádio. “Não tenho dotes de radiofonia, faço aquilo que sei e convidei alguém que já fazia rádio, o senhor Ramiro, que eu não conhecia antes. Durante um ano fizemos rádio juntos, depois ele foi para outra rádio e eu ainda cá estou, há 15 anos, porque começámos a fazer o primeiro programa no dia 5 de fevereiro de 2004”.

Durante duas horas, aos domingos de manhã, João Barbosa leva a boa disposição aos Portugueses. Passa música, algumas informações e conversa com ouvintes na antena. “Esta é a minha maneira de fazer rádio. Não é uma rádio para mim. Eu digo sempre às pessoas que participem. Se elas não participarem ou deixo de fazer o programa” conta ao LusoJornal. “Eu gosto de estar em contacto com as pessoas. É este tipo de programa que me agrada, estabelecer pontes entre os Portugueses. Os ouvintes têm aderido bastante”.

João Barbosa afirma que “não sei quem me escuta, mas sei que é um auditório importante. Até em Portugal continental me escutam através da net”.

O telefone está constantemente a tocar, nota-se durante a entrevista ao LusoJornal! “Não tenho mãos a medir. Faço locução, faço técnica e também atendo ao telefone. Por vezes é complexo, tenho 17, 18, 20 telefonemas por cada manhã, se ficarmos uns 2 minutos ao telefone, temos o programa completo só com telefonemas”. Mas os ouvintes felicitam o animador, dizem-lhe palavras de apreço e de agradecimento. “É um serviço que eu faço e que é reconhecido. Tenho palavras meigas de reconhecimento”.

A seleção musical é variada. “Sou eu que escolho as músicas, mas a música que eu ponho é essencialmente popular, romântica e sentimental. Sou um romântico”.

Durante a primeira hora do programa, entre as 8h00 e as 9h00 da manhã, só há Fado. “As pessoas já estão habituadas e apreciam muito esta hora de fado que faz lembrar os nossos antepassados. É música para as pessoas que se levantam cedo” diz a sorrir.

O programa também tem uma vertente informativa. “Por vezes vou buscar informações ao LusoJornal” comenta o animador do programa. “Divulgo festas portuguesas desta região e por vezes temos anúncios menos agradáveis de pessoas que faleceram. Tudo o que me solicitam e que faça eco para os portugueses, eu divulgo. Aqui não há tabus. Falo também de restaurantes, de gastronomia, de cultura… falo de tudo”.

Há um outro programa português na rádio RQC, o programa “Nostalgia” que vai para o ar às quartas-feiras. Também há programas magrebinos. Mas é uma rádio associativa onde todos os animadores são voluntários. “Eu sou um bombeiro voluntário” comenta João Barbosa sempre com uma piada pronta para animar o seu interlocutor. “Ou você gosta de comunicar ou não se faz nada. Aqui não ganhamos nada. Ninguém ganha nada. Somos todos voluntários, aceitamos dar uma parte do nosso tempo livre para esta rádio amadora. Não somos profissionais da comunicação”.

Durante o programa, a campainha da porta da rádio pode tocar. São ouvintes que passam pela rádio para cumprimentar o animador português e para dois dedos de conversa entre duas músicas. A nossa reportagem cruzou-se com António Santos, um desses ouvintes. João Barbosa ofereceu-lhe um “suspiro”. “Foi a minha mulher que preparou para eu trazer para a rádio”, diz a sorrir, enquanto também nós provávamos o delicioso “suspiro” da manhã.

“Eu sempre ouvia a rádio Triunfo. É muito importante haver uma rádio aqui e é pena que isto comece a fraquejar” comenta o ouvinte António Santos. “Podemos dar os parabéns ao João Barbosa porque ele é um homem dinâmico, cheio de força e quer que as coisas vão para a frente. Eu acho que é importantíssimo termos uma rádio portuguesa no norte da França”.

 

Comunidade
X