Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

O Conselheiro cultural da Embaixada de Portugal em França, João Pinharanda, que também é o Diretor do Centro Cultural do Instituto Camões em Paris, é o Comissário de uma exposição que inaugurou na sexta-feira passada, na residência oficial do Primeiro Ministro com uma seleção de obras do Museu de Arte Contemporânea de Elvas – Coleção António Cachola.

João Pinharanda (na foto), historiador de arte, selecionou para esta exposição de obras de arte portuguesa contemporânea no palacete de São Bento, em Lisboa, obras de artistas como Sofia Areal, AnaMary Bilbao, Pedro Calapez, Fernando Calhau, Rui Chafes, Gil Heitor Cortesão, José Pedro Croft, António Júlio Duarte, Alexandre Farto (Vhils), Ana Manso, Jorge Molder, Pedro Proença, Julião Sarmento, Ana Vidigal e Xana, num total de cinquenta criadores da arte portuguesa contemporânea. A estes juntam-se ainda nomes como Pedro Casqueiro, Paulo Catrica, Alexandre Conefrey, Dealmeida Esilva, João Queiroz, André Romão, Rui Sanches, Rui Serra e Augusto Alves da Silva.

No ano passado foi o acervo do Museu de Serralves que esteve ali exposto.

O palacete de S. Bento abre portas ao público todos os domingos, para mostrar a meia centena de obras de artistas portugueses que, temporariamente, decoram as suas paredes. “A iniciativa Arte em São Bento propõe uma trajetória inédita por coleções portuguesas de arte contemporânea, em regime de rotatividade anual, na residência oficial”, do Primeiro Ministro, lê-se no comunicado da Presidência do Conselho de Ministros. “Não se trata de uma exposição, como num museu ou numa galeria”, já que a as obras e arte decoram os espaços do palacete onde o Primeiro Ministro despacha. “Com esta iniciativa, pretendemos valorizar a cultura, garantir que o património cultural e artístico do país é celebrado e acessível a todos os cidadãos”.

 

 

Gostou deste artigo? Vote, participe!
Votação do Leitor 10 Votos
1.9
X