Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

As associações Convivium Lusophone e Les Amis du Lusofolie’s organizam a apresentação do livro “A Sombra dos Heróis – A História Desconhecida dos Resistentes Portugueses que Lutaram Contra o Nazismo», na presença do autor e jornalista José Manuel Barata-Feyo e do Embaixador Permanente de Portugal junto da Unesco, António Nóvoa.

A apresentação teve lugar no domingo 10 de novembro, às 15h00, na Maison du Portugal André de Gouveia, na Cité Internationale Universitaire de Paris (7 boulevard Jourdan – 75014 Paris). RER: Cité Universitaire.

João Heitor, da associação Convivium Lusophone tem andado encantado com este livro de Barata-Feyo que lembra a participação dos Portugueses de França na Resistência francesa à ocupação nazi.

“Emigrantes portugueses arriscaram a vida, muitas vezes sozinhos, outras vezes em pequenos grupos. Participaram em grandes batalhas, em episódios esquecidos da II Guerra Mundial, em pequenos ataques de sabotagem, em combates contra o exército alemão ou as forças do Governo colaboracionista de Vichy. Uns morreram antes mesmo de desenvolverem as suas atividades de resistência ou quando ainda davam os primeiros passos nela. Outros serviram de espiões, angariaram informação importante para o esforço de guerra, ajudaram prisioneiros a escapar, abrigaram, transportaram homens que teriam morrido às mãos do inimigo, combateram o exército alemão na Legião Estrangeira numa das mais famosas batalhas do Norte de Africa: Bir Hakein” lê-se num texto que João Heitor enviou ao LusoJornal.

Esta participação dos portugueses na Resistência francesa não era uma página da história de Portugal conhecida. “Nós temos de dar a conhecer esta página da História da França que contou a participação dos Portugueses” lembrou João Heitor. “E o livro está maravilhosamente escrito. É uma autêntica bomba”.

José Manuel Barata-Feyo também viveu em França antes do 25 de abril. Foi aliás em França que se licenciou em filosofia. Em Paris, dirigiu as emissões em língua estrangeira da RFI, foi correspondente da RTP e depois foi Chefe de redação de vários programas no canal público, além de fundador da revista Grande Reportagem.

Este livro, com fotografias, fichas de arquivo, documentos de identificação. É “um documento histórico onde centenas de resistentes foram agrupados de acordo com a sua participação em determinados acontecimentos relevantes”.

Por enquanto, o livro ainda não foi traduzido para português.

 

Gostou deste artigo? Vote, participe!
Votação do Leitor 4 Votos
9.3
X