Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

Esta segunda-feira, dia 6 de novembro, às 18h00, a associação Cimade e a Livraria Jean Calvin organizam a apresentação do livro “Opération Angola”.

Em 1961 e em poucos dias, 60 estudantes africanos, incluindo Joaquim Chissano e Pedro Pires que viriam a presidir Moçambique e Cabo Verde, foram «sacados» de Portugal durante o regime salazarista, no maior dos segredos, numa operação clandestina levada a cabo pela Cimade.

«Opération Angola: Soixante étudiants africains exfiltrés du Portugal de Salazar», foi editado pelas edições L’Harmattan e conta os bastidores de uma fuga clandestina em massa, de jovens angolanos, moçambicanos, são-tomenses e caboverdianos, incluindo várias personalidades que se viriam a tornar altos responsáveis políticos nos seus países.

Joaquim Chissano, que chegaria a Presidente de Moçambique, Pedro Pires, que seria Presidente de Cabo Verde, Fernando José Van-Dúnem, que seria Primeiro-Ministro angolano e Pascoal Mocumbi, que seria Chefe de Governo moçambicano, foram alguns dos 60 jovens que atravessaram o rio Minho de barca, dormiram numa granja, numa igreja e até numa prisão, em Espanha, até chegarem a França.

A edição original, em inglês, foi publicada em 2015 nos Estados Unidos, escrita por dois dos protagonistas da evasão secreta, Charles Harper e William J. Nottingham, dois pastores americanos que ajudaram os estudantes a sair de Portugal e a chegar a França, numa viagem «a salto», com passadores, barcas clandestinas, carros de luxo americanos e um autocarro Dodge.

Em entrevista à Lusa, William J. Nottingham, de 90 anos, considerou que «sem dúvida» também contribuiu, no seio desta operação secreta, para uma página que determinou a história das antigas colónias portuguesas, sustentando que «isto foi reconhecido numa reunião em maio de 2015, em Lisboa, quando Pedro Pires e Fernando Van-Dúnem discursaram».

Tudo começou com um apelo de estudantes angolanos à Igreja Metodista dos Estados Unidos para ajudar a sair de Portugal os jovens preocupados com a perseguição policial devido à sua simpatia ou implicação nas premissas dos movimentos de independência dos seus países.

O apelo foi ouvido e a Igreja Metodista americana contactou o Conselho Ecuménico das Igrejas que pediu à associação francesa Cimade – uma agência de serviços ecuménicos da Federação Protestante de França – para realizar a operação graças à sua experiência na evasão de presos destinados aos campos de concentração durante a Segunda Guerra Mundial.

«O doutor Visser’t Hooft, Secretário-geral do Conselho Ecuménico, considerou que era preciso ajudar e que só a Cimade podia fazê-lo porque sabia montar estas operações, exfiltrou muitos refugiados judeus para os Estados Unidos, Espanha e Suíça na guerra e sabia fazer papéis falsos», explicou à Lusa Alain Bosc, membro da Cimade que supervisionou a tradução da obra.

Na apresentação da obra vão estar Jacques Maury, Presidente honorário da Cimade, Geneviève Jacques, atual Presidente da Cimade, e Nancy, filha de William J. Nottingham, que vai ler uma mensagem do pai.

A operação contou com Jacques Beaumont, Secretário-geral da Cimade entre 1956 e 1968, e Charles Harper («Chuck») que conduziram, de carro, os estudantes até à fronteira com Espanha, no norte de Portugal, e William J. Nottingham («Bill»), Kim Jones, Dick Wiborg, Dave Pomeroy que foram os motoristas na viagem de Espanha até Hendaye, em França.

Atualmente a viver em Highlands Ranch, no estado norte-americano do Colorado, William J. Nottingham disse à Lusa que foi «uma operação com proporções históricas» e que com o amigo Charles Harper, que morreu no ano passado, sempre quiseram «escrever um livro» a contá-la.

Mais de 50 anos depois, a obra acabou por sair, baseada nas suas próprias memórias, em conversas com os intervenientes e em testemunhos gravados em cassete, no outono de 1961, de três dos motoristas americanos estudantes de teologia.

Depois dos passaportes falsos carimbados pelas Embaixadas do Senegal, do Gabão e do Níger em Paris, e de notificadas as autoridades francesas ao mais alto nível, as viagens aconteceram de 16 de junho a 2 de julho de 1961, em duas fases: na primeira fugiram de Portugal 19 estudantes, na segunda saíram 41.

Os primeiros 19 viajaram num Peugeot 404, num Plymouth, em dois DS, num Chevrolet e noutro Peugeot, mas a grande maioria do segundo grupo teve de se fazer passar por um «grupo de peregrinação» a bordo de um autocarro Dodge.

Todos temeram o repatriamento para Portugal quando foram parar a uma prisão em San Sebastián, mas «houve instruções que vieram de bem alto para libertar estes estudantes», explicou, também, à Lusa Alain Bosc. «Houve influências talvez diretamente sobre Franco, provavelmente de De Gaulle ou do Ministro Couve de Murville ou de Kennedy ou do departamento de Estado americano. O livro deixa entender isso, mas não há provas», afirmou o membro da Cimade.

Concluída a viagem, foram escassos os contactos posteriores entre os motoristas e os exilados e só passados 50 anos alguns se reuniram em Cabo Verde, em 2011, para lembrar «a fuga rumo à luta» num país então presidido por um dos antigos estudantes, Pedro Pires.

«Até à reunião de 2011, os que fugiram nunca tiveram a certeza sobre quem éramos e de onde veio o dinheiro para financiar a operação. Como muitos pensavam que éramos da CIA, não se sentiram motivados para entrarem em contacto connosco. O Pascoal Mocumbi ligou-me, uma vez, quando esteve com o Jacques Beaumont em Nova Iorque», concluiu William J. Nottingham.

 

 

Segunda-feira, 6 de novembro, 18h00

Librairie Jean Calvin

47 rue de Clichy

Paris 9

Metro: Liège

 

 

Gostou deste artigo? Vote, participe!
Votação do Leitor 1 Voto
10.0
X