Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

Clermont-Ferrand tem sido apresentada como sendo uma das cidades francesas com maior concentração de Portugueses. Nestas eleições municipais há uma presença de candidatos portugueses – alguns até com bastante visibilidade – mas nem todas as listas apresentam nomes lusitanos.

Manuela Ferreira de Sousa, atual 4ª Maire-Adjointe, volta a candidatar-se na lista do Maire socialista Olivier Bianchi.

Filha de João Veloso, o carismático Presidente da associação Os Camponeses Minhotos e membro do Conselho das Comunidades Portuguesas, Manuela Ferreira de Sousa é também elemento ativo na associação que organiza a Festa do S. João e dança no grupo folclórico minhoto. Para além de ser “referente” para o bairro de Montferrand, Manuela Ferreira de Sousa, que já vai no segundo mandato, tem também o pelouro do turismo e da igualdade de direitos.

Clermont-Ferrand é tradicionalmente uma cidade socialista e Olivier Bianchi, 49 anos, lidera a lista “Naturellement Clermont” que integra igualmente candidatos do partido Europe Ecologie les Verts (EELV) e do Partido comunista francês (PCF).

Mas desta vez Manuela Ferreira, 44 anos, funcionária do aeroporto de Clermont-Auvergne, apresentada como elemento da sociedade civil e independente, surge em 32ª posição na lista. E apesar de Clermont-Ferrand ser uma das cidades francesas com maior concentração de Portugueses, não há mais nenhum português na lista do atual Maire.

Curiosamente, Paula Ribeiro, que foi Conselheira municipal antes de Manuela Ferreira ter integrado a autarquia, é agora a segunda na lista ‘Cause Commune” encabeçada por Philippe Fasquel.

Esta é uma lista que se assume como a única “ecocidadã” em Clermont-Ferrand e Philippe Fasquel recusa uma qualquer etiqueta partidária. Tem 53 anos, é ator, professor e assume-se como militante ecologista. Paula Ribeiro tem 49 anos, é contabilista e tem estado bastante em destaque nesta pré-campanha eleitoral ao lado de Philippe Fasquel.

Na lista “Ensemble, transformons Clermont-Ferrand” liderada por Eric Faidy, com o apoio do partido La République en Marche (LREM) e com uma parte do MoDem, candidata-se Céline Pires, 41 anos, coordenadora do MoDem em Clermont-Ferrand, assistente socioeducativa e militante associativa, também colaboradora ocasional do LusoJornal.

Eric Faidy tem 59 anos, é quadro da Michelin, onde trabalham muitos portugueses e aliás há vários candidatos na lista que falam português por terem estado em missão profissional no Brasil. A lista integra também o brasileiro João Lafosse, 35 anos, colaborador de agente de seguros, e o assistente audioprotesista Ricardo dos Santos, com 44 anos.

Eric Faidy esperava ser um sério opositor ao atual Maire, sobretudo aliando-se ao MoDem, mas o MoDem dividiu-se e uma parte integrou a lista “Révéler Clermont”, liderada pelo cirurgião dentista Jean-Pierre Brenas. A lista não tem nomes portugueses.

Também a lista “Clermont en commun”, liderada pela atual Conselheira municipal Marianne Maximi, apoiada pelo partido La France Insoumise, não tem qualquer nome português.

Mas a lista “Faire entendre le camp des travailleurs”, liderada por Marie Savre e apoiada pela Lutte Ouvrière apresenta três Portugueses: Maria Alice Rodrigues, 49 anos, sem profissão, Abel de Figueiredo, 69 anos, operário no ramo da borracha, reformado e José Castro, 67 anos, reformado. Marie Savre, tem 49 anos e é psicóloga num hospital psiquiátrico.

 

LusoJornal Artigos
X