Mensagem de Natal do Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas

Opinião

 

Caras e caros compatriotas,

Chegados a esta época de Natal e de Ano Novo, tenho muito gosto em dirigir-me às Comunidades portuguesas espalhadas pelo mundo.

Esta é uma época de solidariedade, de partilha e de estarmos com quem temos laços mais fortes. É o tempo da família, dos amigos e de todos aqueles que queremos ter por perto, o que nem sempre acontece por via das circunstâncias que a vida nos impõe.

Sei que a nossa Diáspora vive o Natal de forma muito particular. É uma época onde mais se sentem as distâncias para com os nossos entes queridos, com quem queremos partilhar as alegrias e criar memórias. E é muito também por isto que as nossas Comunidades portuguesas nos merecem o maior elogio e a maior admiração. Quem partiu da sua terra com coragem, sabendo daquilo que fica para trás e que, muitas vezes, é mais do que o seu país, do que a sua nação. É parte de si.

Portugal sempre se orgulhará da sua Diáspora. Da sua resiliência, da sua força e determinação.

Os Portugueses e as Portuguesas são um exemplo de integração nos países onde residem e de onde também recebem os maiores elogios. Disso mesmo tenho dado conta durante o roteiro ‘Portugal no Mundo: Caminhos para a Valorização das Comunidades Portuguesas’, que tenho feito junto daqueles que compõem a diáspora portuguesa nas mais diferentes geografias.

Tenho encontrado Comunidades coesas, interventivas, empreendedoras, resilientes e inovadoras. Portuguesas e Portugueses por inteiro que não esquecem o seu país e a sua língua, e que mantêm orgulho na herança que nos une com os laços culturais e de pertença a este grande mundo lusófono.

Tenho encontrado exemplos de enorme solidariedade, casos de sucesso, exemplos de coragem, mas também situações de fragilidade social, que contam com o amparo e a proteção do Estado português.

 

Aproximamo-nos do final do ano e do início de um ano novo.

O caminho é desafiante, e fazemo-lo com a mesma persistência que vemos da nossa Diáspora. E procuraremos sempre, no âmbito da ação governativa, garantir que a nossa Diáspora continue a ser um ativo de grande relevância e cada vez mais próxima de Portugal.

Quero, nesta altura de comunhão e celebração, expressar a minha profunda admiração e deixar um forte abraço a todas as Portuguesas, a todos os Portugueses e lusodescendentes. Aos mais jovens, aos de mais idade. Aqueles que nasceram, mas também às famílias e amigos dos que nos deixaram em 2022. Recordo com pesar as vítimas portuguesas das enxurradas em Las Tejerias, na Venezuela, e mais recentemente na explosão na ilha de Jersey. Aos Portugueses que passam dificuldades e aos que se encontram em situação de reclusos no estrangeiro.

Uma palavra de reconhecimento a todas as mulheres e homens que defendem e promovem a nossa língua, professores e leitores, importantíssimos na preservação do legado da nossa memória e da nossa identidade e na divulgação da língua e cultura portuguesas pelo mundo.

Uma saudação especial também a todas e a todos os funcionários que compõem a nossa rede diplomática e consular. O seu trabalho e dedicação é essencial no apoio às Comunidades portuguesas, ajudando a fazer um Portugal mais próximo dos seus cidadãos, onde quer que se encontrem.

Um bem-haja a todas e a todos os que também têm responsabilidades na diáspora, onde se incluem os representantes de instituições associativas que fazem um trabalho extraordinário, contribuindo para a integração dos Portugueses no estrangeiro.

E um abraço sentido a todos os que passarão o Natal longe do seu país e das suas famílias.

Da minha parte tudo farei por manter bem viva a nossa cultura, a nossa língua e a nossa herança, ancoradas pelo sentimento de ser português, um sentimento de pertença e identidade que nos liga aos muitos milhões de Portugueses e lusodescendentes espalhados pelo mundo.

A todas e todos, desejo um Feliz Natal e um excelente 2023.

 

Paulo Cafôfo

Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas

 

Donativos LusoJornal