Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.
Donativos LusoJornal

 

Nuno Mendes, lateral-esquerdo português, chegou ao Paris Saint-Germain por empréstimo do Sporting Clube de Portugal.

Desde que chegou, já realizou três jogos. O defesa entrou no jogo frente ao Clermont, a contar para o Campeonato francês da primeira divisão, entrou novamente no decorrer do jogo frente ao Club Brugge, na Liga dos Campeões, e foi titular no passado domingo frente ao Lyon, na Ligue 1.

Uma ascensão rápida para o atleta luso que aliás chegou após o jogo da Seleção Portuguesa frente ao Azerbaijão, triunfo por 0-3, que se realizou a 7 de setembro.

Recorde-se que Nuno Mendes assinou no último dia do mercado de transferências pelo Paris Saint-Germain que pagou 7 milhões de euros pelo empréstimo, e sabendo que há uma opção de compra de 40 milhões de euros.

Nuno Mendes é o primeiro atleta português do Sporting Clube de Portugal a ser contratado pelo clube parisiense, e junta-se a Danilo Pereira na equipa do PSG. De notar que Danilo Pereira também chegou à equipa de Paris no verão passado por empréstimo do FC Porto e acabou por ficar na capital francesa.

Nos primeiros dias em que chegou a Paris, Nuno Mendes falou com a imprensa francesa, internacional, portuguesa e ao LusoJornal.

O lateral-esquerdo admitiu estar feliz por representar o Paris Saint-Germain, mas também deixou uma mensagem à Comunidade portuguesa.

 

Qual é a sensação de chegar ao PSG, talvez atualmente o maior clube europeu?

Estou muito feliz por chegar aqui. Um grande clube. E estou desde já muito ansioso por representar este clube que é o Paris Saint-Germain.

 

Vai jogar com Neymar, Mbappé e Lionel Messi, três estrelas do futebol mundial, qual é a sensação?

É uma sensação única poder jogar com três grandes jogadores do futebol mundial. Estou mesmo muito feliz por partilhar o balneário com estes jogadores. Estou muito ansioso por partilhar o campo com eles.

 

Danilo também é outro jogador com quem vai jogar, falou com ele sobre a equipa, sobre a vida em Paris?

Claro que falei com ele. No último estágio da Seleção, falamos um pouco. Ele falou-me do clube, do país, da cidade. Ele ajudou-me muito e de certeza que me vai continuar a ajudar muito (risos). No primeiro dia, sim, já estava com ele (risos).

 

Imaginava que assinaria pelo Paris Saint-Germain, por enquanto por empréstimo, no fim deste mercado de transferências? Ou até o Nuno ficou surpreendido com esta oportunidade?

Apareceu do nada esta oportunidade, mas os sonhos são para se concretizar. Eu agora acabei por concretizar um sonho e estou muito feliz por estar aqui agora.

 

A ambição do PSG é vencer todos os títulos, inclusive a Liga dos Campeões, neste momento a equipa parece ter todas as cartas em mão? Sobretudo com a chegada agora do Nuno…

Sim claro que tem tudo. Mas ter tudo não é suficiente. Sem trabalhar nada é possível. Apenas com trabalho e humildade é que a equipa vai conseguir alcançar todos os objetivos e vencer todos os títulos.

 

Qual foi a sensação de sair do Sporting? Foi complicado deixar o clube? Qual foi o sentimento?

Foi difícil sair do Sporting, tenho de admitir. É óbvio que não é fácil porque foi um clube que me acolheu desde pequeno e acho que foi muito, muito difícil sair de lá, mas tive uma oportunidade de ouro e aproveitei. Agora estou aqui e quero apenas aproveitar ao máximo. Quero mostrar, em Paris, o que sempre mostrei dentro do campo.

 

Em pouco menos de duas temporadas chegou à equipa principal lisboeta, foi Campeão de Portugal, foi ao Euro com Portugal e está agora no PSG, estava à espera desta evolução tão rápida?

Não estava à espera, mas agora estou aqui, tenho de assumir. Sou talvez o jogador mais novo que integra diretamente o plantel principal do PSG, e isso é fruto do meu trabalho e do meu esforço. Se hoje estou aqui é porque dei tudo, sempre que pude, todos os dias e em todos os jogos.

 

Aliás, primeiro jogador do Sporting a chegar ao PSG, o Nuno marcou a história dos dois clubes? Traz alguma pressão?

Não traz nenhuma pressão. A única pressão que tenho é usar a camisola do Paris Saint-Germain. É uma grande instituição. Acho que é isso que é o mais importante para mim e o que pesa mais.

 

Do lado esquerdo da defesa, em termos de portugueses, o PSG teve sobretudo Kenedy, antigo jogador do Benfica e do Porto, que ficou uma temporada, e Fernando Cruz, antigo jogador do Benfica… O PSG precisava de alguém nessa posição?

Sim. Podemos dizer que sim. Nos laterais-direitos, o PSG tem muitos, e nos laterais-esquerdos, o PSG tem poucos. Ter vindo para cá, é simplesmente para ajudar a equipa. Se jogar, se não jogar, eu vou estar sempre disponível para ajudar a equipa.

 

Olhando para a sua vida, sei que tem origens cabo-verdianas, queria apenas perguntar-se como são hoje as ligações com Cabo Verde? Mantém contacto com familiares?

Sim, tenho mantido contactos. Sempre que posso falo com a minha família que está em Cabo Verde. A minha mãe está lá agora. Como ela está lá, agora tenho ainda mais facilidade em falar com os meus familiares que estão no arquipélago. Com a minha mãe falo quase todos os dias. Então sim, tenho contactos regulares com Cabo Verde.

 

A comunidade portuguesa é enorme em França e sobretudo em Paris com mais de 500 mil pessoas, que mensagem lhes quer enviar?

É complicado enviar uma mensagem. Mas quero pedir que apoiem sempre todos os Portugueses que venham para aqui, para a França. Não só para jogar num clube, mas todos aqueles que emigram para trabalhar em França. Acho que é muito importante nós Portugueses, ajudarmo-nos uns aos outros.

 

Esteve recentemente com a Seleção portuguesa, como se tem sentido? Neste mês de setembro foram três jogos, três triunfos, não poderia ter sido melhor…

Tenho me sentido bem desde o primeiro dia em que cheguei lá. Todos me acolheram bem, tanto o Cristiano como todos os outros jogadores. Isso é importante para eu me sentir à vontade dentro do campo e também fora. Acho que foi isso o mais importante para mim, para eu me sentir à vontade.

 

Esteve presente no recorde de Cristiano Ronaldo, o que representa para si CR7? Formado no Sporting, estrela do futebol português… Acabou por ser um exemplo a seguir?

Não tenho palavras para dizer o que representa o Cristiano. É um jogador de outro mundo. Bateu todos os recordes possíveis. Se houvesse mais, acho que conseguiria bater qualquer um. Acho que agora só ele sabe o que tem para bater mais e claro desejo-lhe tudo de bom.

 

Aos 19 anos, quais são ainda os sonhos que tem o Nuno para alcançar?

Eu tenho muitos sonhos ainda por alcançar. Aliás, até há sonhos que vão aparecendo do nada. No entanto, aqueles que tenho na mente para alcançar, vou trabalhar ao máximo para alcançá-los o mais rapidamente possível.

 

Desporto
X