Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

A Academia de Belas Artes Pierre Cardin, que todos os anos distingue os talentos dos jovens artistas que atuam em França em diferentes áreas, atribuiu o Prémio de arquitetura ao arquiteto e artista Didier Fiúza Faustino.

“Fiquei super surpreendido. Não estava a contar com a Academia de Belas Artes. Vem dos mestres das artes, que refletem sobre as disciplinas e foi uma surpresa completa”, afirmou Didier Fiúza Faustino, arquiteto de ascendência portuguesa, em declarações à Lusa.

O lusodescendente tem trabalhado em projetos de arquitetura e instalações de arte em França, Portugal e outros pontos do Mundo, ligando as suas obras à intervenção social e a problemáticas como as migrações.

Em 2000 criou “Body in transit” para a bienal de Veneza, onde concebeu uma mala para transportar pessoas em aviões, num protesto contra as políticas anti-imigração. Em 2006 criou “One Square Meter House”, uma casa de um metro quadrado apresentada em Paris, e o seu projeto mais recente é o “XYZ Lounge”, na Bélgica.

Apesar de surpreendido com o prémio, Fiúza Faustino considera que se trata de uma “confirmação” do seu percurso. “É uma confirmação. Já tive alguns prémios e faço parte de uma vanguarda de pensamento em França”, disse o arquiteto.

Atualmente, o lusodescendente prepara diversos projetos como um alojamento para estudantes em Leiria, uma vivenda no Algarve e coopera ainda em projetos para a construção de novos edifícios, depois dos fortes terramotos que assolaram o México, em 2017.

Os prémios Pierre Cardin são atribuídos pela Academia de Belas Artes de França e distinguem anualmente os jovens talentos da pintura, escultura, arquitetura, gravura, composição e cinema, tendo um valor aproximado de 7.500 euros.

 

Gostou deste artigo? Vote, participe!
Votação do Leitor 3 Votos
4.4
X