20° edição do Festival de Cinema Brasileiro de Paris

Pelo vigésimo ano consecutivo, o Festival de Cinema Brasileiro de Paris volta, dos dias 3 a 10 de abril, ao cinema L’Arlequin. O festival é organizado pela associação Jangada, criada por franceses e brasileiros «preocupados em conservar uma identidade cultural num contexto cada vez mais global», explica a Direção.

O objetivo da associação é o de promover a cultura brasileira em França e no mundo através de várias iniciativas culturais e artísticas. Esse objetivo é conquistado, não somente graças aos festivais de cinema, mas também aos concertos, exposições e debates. Para além do festival em Paris, a associação Jangada também organiza festivais em Toronto, Montreal ou Doha, afirmando-se assim como «uma mediadora de cooperações audiovisuais entre profissionais da indústria do cinema brasileiro e estrangeira».

O Festival de Cinema Brasileiro de Paris é o maior evento de exibição da cinematografia proveniente do Brasil e permitiu também ao longo dos anos a venda de vários filmes para outras salas de cinema e canais de televisão sendo, portanto, um vetor de desenvolvimento da distribuição dos filmes brasileiros.

Nesta vigésima edição serão exibidos 26 filmes, dentro dos quais se encontram alguns dos melhores filmes destes últimos 20 anos e outros que são inéditos em França.

Estão previstos vários convidados para conversar, sobre as obras com o público tais como o célebre ator Vincent Cassel que na cerimónia de abertura, dia 3 abril, às 20h30, falará de «O filme da minha vida» de Selton Mello. A ação do filme passa-se nos anos 60 e conta a história de Tony, um estudante que tenta gerir o facto do pai ter regressado para França, o seu país de origem, sem lhe dar nenhumas notícias. Tony vai ulteriormente descobrir a verdade sobre o seu pai, facto que vai incidir sobre o decurso da sua vida.

Na cerimónia de encerramento, dia 10 de abril, às 21h00, será exibido o filme documentário «Fevereiros», apresentado pelo seu realizador Marcio Debellian. O filme mostra os bastidores da preparação do desfile da famosa Escola de Samba da Mangueira, que ganhou o Carnaval do Rio de Janeiro em 2016, tendo escolhido como temática uma homenagem à cantora Maria Bethânia.

É de destacar, ainda, o filme «Casa Grande» de Fellipe Barbosa, já galardoado com vários prémios internacionais, e que será exibido dia 6 de abril, às 13h45, ou ainda o já filme culto «Cidade de Deus», nomeado para os Óscares hollywoodianos e os Golden Globes, realizado por Fernando Meirelles e que será projetado dia 9 de abril, às 16h00.

Este ano, a novidade será uma edição com 10 filmes exibidos na plataforma em linha Festivalscope, para as pessoas que não têm a possibilidade de se deslocar à sala de cinema. Segundo os organizadores, esta edição será centrada sobre «a partilha, a troca, a aventura, a emoção e o amor» e para além de debates a organização anuncia, igualmente, concertos e caipirinhas na sala mítica do L’Arlequin.

O cinema L’Arlequin existe desde 1934, primeiro com o nome de Lux Rennes. Após a sua aquisição por Jacques Tati em 1962, o realizador renomeia-o de L’Arlequin. Mais tarde, entre 1973 e 1993 o cinema passa a chamar-se Le Cosmos, tendo-se tornado um local de referência para o cinema soviético fazendo descobrir ao público parisiense realizadores como Andreï Tarkovski ou Andreï Kontchalovski. Entretanto, voltou a possuir o nome de L’Arlequin, nome que guardou até hoje, e especializou-se na programação de festivais internacionais, antestreias de prestígio, e é ainda um local de conferências e seminários.

 

Cinéma l’Arlequin

76 rue de Rennes

75006 Paris

M° Saint-Sulpice

 

Programação completa: http://festivaldecinemabresilienparis.com/2018/