Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

Já foi editado o número 45 (edição primavera-verão de 2020) da revista cultural “Sigila”, uma “revista transdisciplinar luso-francesa sobre o segredo”, e esta edição tem por tema “O invisível”. A obra é editada pela associação “Groupe de Recherches Interdisciplinaires sur le Secret” GRIS-France.

“Este tema da revista Sigila já tinha sido decidido pelo comité de redação antes de surgir a epidemia que os orgãos de comunicação social chamam de ‘o inimigo invisível’” diz uma nota de abertura da revista. Apenas foi acrescentado um poema de Manuel Alegre, intitulado “Lisboa ainda”, escrito em 20 de março de 2020 e que começa assim: “Lisboa não tem beijos nem abraços / não tem risos nem esplanadas” mas acrescenta que “fechada dentro de si mesma ainda é Lisboa / cidade aberta / ainda é Lisboa de Pessoa alegre e triste / e em cada rua deserta / ainda resiste”.

A primeira imagem da revista é uma fotografia do cemitério inglês de Lisboa, tirada por Agnès Levécor. “Em 1654, Portugal e a Inglaterra acordaram a construção de um cemitério inglês em Lisboa. As obras só começaram em 1717, tiveram de respeitar uma exigência da Inquisição: que o lugar fosse rodeado por um muro alto, bordado de ciprestes para que seja invisível do exterior”. O tom estava dado.

A Diretora da publicação é Florence Lévi e esta edição tem textos de Sébastien Rozeaux, Agnès Levécot, Médhi Ayachi, Mathilde Ayoub, Rui Chafes, Pierre Dubrunquez, Sylvie Chokron, Christophe Loyer, Michel Deguy, António Vieira, Diane Luttay, Philippe Lançon, Betty Rojtman, Hugues Didier, Gonçalo M. Tavares, Boris Gralak & Bésastien Guenneau, Laurence Motoret e Marie-Claire Busnel.

Desde a primeira edição da Sigila, sobre “O segredo dito”, já foram editadas 45 edições, sobre os temas mais variados, como “Traços e amnésias”, “Nomes ocultos”, “Geometria do segredo”, Guardadores do segredo”, “A vergonha”, “A sombra”, “O silêncio”, ou “Segredos do fabrico” que foi a última edição publicada, antes da atual.

O Comité de redação agendou já as duas próximas edições, sobre “Correspondências” e “Cores”.

Como em todas as edições, também esta propõe uma antologia do segredo com textos de Luís de Camões, Rainer Maria Rilke, Ana Luísa Amaral, Luís Quintais, Lídia Jorge, Abreu Paxe, e Cecília Meireles.

www.cairn.info/revue-sigila.htm

 

Cultura
X