Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

A seleção portuguesa de andebol sofreu o primeiro desaire no Europeu, ao perder por 34-28 face à anfitriã Noruega, em Trondheim, partindo para a segunda fase com zero pontos.

Depois dos triunfos frente a França (28-25) e Bósnia-Herzegovina (27-24), a formação das ‘Quinas’, que ao intervalo perdia por 16-14, terminou o Grupo D no segundo lugar, atrás dos noruegueses, vencedores dos três jogos.

Paulo Pereira, selecionador de Portugal, estava sobretudo satisfeito com o apuramento, admitindo que a Seleção Portuguesa podia ter feito um pouco mais frente aos Noruegueses: «Quero dar os parabéns à Noruega, que é a vice-campeã do mundo e tem excecionais atletas. Podíamos ter feito um bocadinho melhor. Não fizemos porque havia muito ruído no pavilhão. Provavelmente, esse ruído não permitiu que fizéssemos o jogo que podíamos ter feito. A vida continua e podemos causar mais problemas aos adversários, podemos jogar mais no [ndr: sistema tático] ‘sete contra seis’, isto se tivermos sete jogadores em campo. Estou orgulhosíssimo desta gente. Tentámos alternativas, fomos arrojados. Tentámos coisas diferentes, arriscámos, porque se não fizéssemos era pior ainda. Parecia que jogo estava perdido e conseguimos voltar, mas depois, sempre que conseguíamos crescer, voltava a haver muito barulho. O difícil é mantermos este excelente nível. Vamos continuar a jogar com seleções de topo. Vamos ganhar e perder. Temos de estar muito satisfeitos, quem não sai satisfeito depois de eliminar a França? Estamos no meio da tempestade, mas ainda temos a cabeça de fora», concluiu o técnico luso.

A Noruega acabou no primeiro lugar com 6 pontos, à frente de Portugal com quatro, e da França com dois pontos, visto que os Franceses derrotaram os Bósnios por 31-23. A Bósnia-Herzegovina terminou no último lugar sem nenhum ponto.

Na segunda fase, Portugal vai disputar o Grupo II, partindo com zero pontos, contra dois da Noruega, já que o jogo entre ambos conta, e disputará quatro encontros, em Malmö na Suécia, frente a Islândia, Hungria ou Dinamarca, Eslovénia e à anfitriã Suécia.

A formação comandada por Paulo Pereira precisa de terminar o agrupamento nos dois primeiros lugares para seguir para as meias-finais. Se for terceira, jogará para o quinto lugar, e se ficar nos três últimos, será eliminada.

Após 14 anos de ausência, Portugal está a disputar pela sexta vez a fase final do Campeonato da Europa de andebol, no qual tem como melhor resultado o sétimo lugar alcançado em 2000, na Croácia.

 

LusoJornal Artigos
X