Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

A semana passada prometi-vos agendas muito preenchidas para este mês. Como sabemos, se qualidade não implica quantidade, o contrário é quase sempre falso.

Temos ainda, esta semana, pouco material, muito pouco, mas bom, muito bom. Dir-me-ão que aquilo de que vos vou falar (duas coisas apenas) não se podem comparar: na notoriedade e na própria linguagem artística de que se servem os autores em causa – arquitetura, por um lado, dança por outro; Siza Vieira de um lado, Sofia Fitas do outro.

É uma verdade clara e temos que lidar com isso. Como associar aqui a carreira universal de Álvaro Siza Vieira cumulada, a partir dos anos de 1980, de reconhecimento e prémios internacionais – trata-se agora da atribuição e mais um – e a carreira em processo de afirmação de Sofia Fitas?

Ambos lidam com o corpo e com o espaço, o corpo que se desloca no espaço, o espaço que recebe o corpo – seja um edifício público, uma praça urbana, um museu, uma casa privada, seja o restrito e convencionado espaço do palco.

Ambos inventam o espaço onde se deslocam (dançam) ou fazem deslocar os outros (os utilizadores dos edifícios). E, sabemos, o próprio corpo é uma arquitetura e a arquitetura é um corpo (por vezes vivo).

Aceitar e explorar a riqueza deste cruzamento de linguagens é fundamental para o desenvolvimento de um pensamento criativo independentemente da grandeza que Siza já adquiriu e Fitas ainda tenta conquistar.

“Sous la coupole de l’Institut de France”, dia 9, por ocasião da entrega do prémio Charles Abella da Academie de Beaux-Arts de France, um prémio bienal de 35 mil euros atribuído pelo conjunto da sua obra, Álvaro Siza Vieira proferirá uma lição magistral sobre o seu modo de ver e de fazer arquitetura e vida.

Na Maison des Jeunes et de la Culture de Colombes, Sofia Fitas, com a sua companhia, apresenta Experimento 1 (premiado no concurso de solos coreográficos do 13º Festival internacional de dança das Canárias).

Infelizmente, a apresentação de Siza, ao início da tarde, é para um público restrito de convidados. Já o espetáculo de Sofias Fitas, às 20h00, é aberto a todos.

 

Esta crónica é difundida todas as semanas, à segunda-feira, na rádio Alfa, com difusão antes das 7h00, 9h00, 11h00, 15h00, 17h00 e 19h00.

 

Linda de Suza 19/20
Gostou deste artigo? Vote, participe!
Votação do Leitor 3 Votos
3.2
X